sicnot

Perfil

Euro 2016

Euro 2016

Euro 2016

São-tomenses e portugueses unidos em esplanadas de São Tomé

euro2016.sic.pt

Muitos são-tomenses torceram e festejaram a vitória de Portugal no campeonato europeu de futebol, um jogo vivido com intensidade e partilhado por portugueses de férias que encheram as esplanadas da capital de São Tomé e Príncipe.

© Reuters Staff / Reuters

João Martins está a fazer voluntariado em São Tomé há seis meses. E hoje viveu uma experiência única: "É absolutamente fantástico estar aqui, pelos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) e por Portugal. Viva São Tomé e viva o futebol".

António Branco é são-tomense, mas disse ainda sofrer com as cores do antigo colonizador.

"Estou muito satisfeito com a bandeira de Portugal e viva Portugal", disse, aplaudido por dezenas de adeptos que se juntaram numa esplanada no centro da capital.

Numa cidade com pouca luz, devido aos constantes apagões, ouviram-se buzinas e algumas motos a acelerar, mas é um cenário diferente de quando são outras equipas de futebol.

"Quando ganha o Benfica, isto para". Quem o diz é António Silva, empregado de um café no centro da cidade.

"É uma seleção, não é o Benfica", diz, sorrindo.

Durante os 120 minutos, o sofrimento dos adeptos acentuou-se, ganhando o apoio de quem, inicialmente, dizia não gostar de futebol: "Não queria, mas sofri muito", disse Anália Santos.

Portugal sagrou-se hoje campeão da Europa de futebol pela primeira vez na sua história, ao bater na final a anfitriã França por 1-0, após prolongamento, em encontro disputado no Stade de France, em Saint-Denis.

Um golo do suplente Éder, aos 109 minutos, selou o triunfo da formação das 'quinas', que perdeu por lesão, aos 25, o 'capitão' Cristiano Ronaldo, substituído por Ricardo Quaresma, depois de uma falta dura de Dimitri Payet.

A seleção portuguesa tornou-se a segunda na história da competição a vencer a equipa da casa na final, 12 anos depois de ter perdido por 1-0 com a Grécia a do Euro2004, no Estádio da Luz, em Lisboa.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.