sicnot

Perfil

Eutanásia

Eutanásia

Eutanásia

Mais de 5.000 assinaturas em petição pela despenalização da eutanásia

Mais de 5.000 pessoas assinaram, nos últimos sete dias, uma petição a favor da despenalização e regulamentação da morte assistida, da autoria do movimento cívico "Direito a morrer com dignidade", o que obriga à sua discussão em plenário do Parlamento.

© Finbarr O'Reilly / Reuters

A petição, dirigida à Assembleia da República, está disponível online, e o texto que a acompanha é o mesmo do manifesto assinado por 112 personalidades da sociedade portuguesa, como Alexandre Quintanilha, José Pacheco Pereira, António Sampaio da Nóvoa ou Olga Roriz.

Francisco Louçã, João Goulão, o oncologista Jorge Espírito Santo, o "capitão de Abril" Vasco Lourenço, o sociólogo Boaventura Sousa Santos e o ex-diretor geral da Saúde Constantino Sakellarides assinaram igualmente este manifesto.

No texto que acompanha a petição -- que às 11:10 contava com 5.050 assinaturas - , o movimento apresenta-se como um conjunto de "cidadãs e cidadãos de Portugal, unidos na valorização privilegiada do direito à Liberdade".

Defendem, por isso, "a despenalização e regulamentação da Morte Assistida como uma expressão concreta dos direitos individuais à autonomia, à liberdade religiosa e à liberdade de convicção e consciência, direitos inscritos na Constituição".

"A morte assistida é um direito do doente que sofre e a quem não resta outra alternativa, por ele tida como aceitável ou digna, para pôr termo ao seu sofrimento. É um último recurso, uma última liberdade, um último pedido que não se pode recusar a quem se sabe estar condenado. Nestas circunstâncias, a Morte Assistida é um ato compassivo e de beneficência", lê-se no texto.

Os signatários dirigem-se à Assembleia da República, órgão legislativo por excelência, ao abrigo da Constituição e da legislação aplicável, exortando os deputados e os grupos parlamentares a discutir e a promover as iniciativas legislativas necessárias à despenalização da morte assistida.

Os proponentes da petição são António Pedro Vasconcelos, Isabel Ruivo, João Ribeiro Santos, João Semedo, Laura Ferreira dos Santos, Lucília Galha e Tatiana Marques.

Lusa

  • Manifesto pela eutanásia em Portugal
    2:22

    Eutanásia

    A eutanásia tem sido assunto tabu em Portugal. Surge agora um grupo organizado que defende a legalização da chamada morte assistida por médicos. O movimento lançou um manifesto que é assinado por políticos de partidos da esquerda e da direita, por médicos, advogados e muitos outras personalidades.

  • Bélgica, Luxemburgo e Holanda são os países na Europa que permitem a eutanásia
    3:11

    Mundo

    Em Portugal está lançado o debate sobre um eventual referendo à despenalização da eutanásia. Na União Europeia a morte assistida é permitida na Bélgica, Luxemburgo e Holanda. A prática é legal na Bélgica desde 2002 e em 2014 foi alargada a menores, passando a ser o único país onde adultos e crianças têm direito a morte assistida sempre em casos de doença terminal. Na Holanda o parlamento aprovou a despenalização da morte assistida em abril de 2002. E só sete anos depois é que o Luxemburgo aprovou a despenalização, mas para tal teve de alterar a Constituição para poder tirar poder de veto ao Grão-duque, que ameaçou não promulgar a lei. Na Colômbia e em alguns estados norte-americanos, a eutanásia é encarada como o direito a morrer com dignidade. Já na Bósnia ou na Sérvia, esta prática é punida como homicídio.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47