sicnot

Perfil

Eutanásia

Eutanásia

Eutanásia

Bloco de Esquerda apresenta hoje anteprojeto sobre morte assistida

© Hugo Correia / Reuters

O Bloco de Esquerda (BE) apresenta esta quarta-feira, no Parlamento, o seu anteprojeto sobre morte assistida, um tema que divide o país político e a sociedade.

O anteprojeto será apresentado, na tarde desta quarta-feira, na Assembleia da República, pelo deputado bloquista José Manuel Pureza, pelo dirigente e médico João Semedo e pela penalista Ana Godinho, autora de uma tese de mestrado sobre morte assistida.

O texto bloquista, com 25 artigos, exclui o recurso à morte assistida a menores e doentes com perturbações mentais.

Deve ser "um adulto, consciente, lúcido, sem perturbações mentais, com uma lesão definitiva ou doença incurável, fatal e irreversível, num contexto de sofrimento intolerável e que exprima a sua vontade", segundo já anunciou João Semedo, na semana passada.

Essa vontade do doente tem de ser reiterada e deve também ter o aval de dois médicos, um deles da área da doença da pessoa, com a possibilidade de recorrer a um terceiro, psicólogo, para avaliar as condições psicológicas do requerente.

Além do BE, o PAN (Pessoas-Animais Natureza) e o Partido Ecologista "Os Verdes" anunciaram iniciativas, ainda sem data anunciada, e a convocação de um referendo é já uma possibilidade admitida pelo CDS-PP.

Após a apresentação deste projeto, o BE pretende fazer debates nas próximas semanas, ponto de partida de um debate aberto sobre o tema, que divide os deputados em São Bento, a começar à esquerda. Os dois principais partidos, PS e PSD, já deram liberdade de voto aos seus deputados, embora o líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, tenha prometido que o partido terá uma posição oficial sobre o assunto.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou, na quinta-feira, prematura qualquer iniciativa legislativa sobre a eutanásia, defendendo um debate amplo, profundo e generalizado, e o PSD pediu aos partidos que não tenham pressa em arrancar com o debate.

No PS, está marcada para 4 de março a Comissão Nacional do partido para discutir moções setoriais ao anterior congresso, uma delas pela despenalização da eutanásia, admitindo-se que, se essa moção for aprovada, um grupo de deputados socialistas apresentar um projeto de lei.

O CDS-PP é contra a morte assistida e admite um referendo nacional sobre o assunto.

No sábado, o semanário Expresso publicou um estudo da Eurosondagem segundo a qual a maioria dos inquiridos (46,1%) é favorável à despenalização da morte assistida, contra 27,4% que são contra. Sobre o referendo, a maioria (44,1%) é a favor e 32,7% é contra.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.