sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Companhias aéreas e empresas de turismo caem nas bolsas europeias

As principais companhias aéreas europeias e as empresas ligadas ao turismo caíram hoje em força nas bolsas, depois das explosões no aeroporto e no metro de Bruxelas.

© Francois Lenoir / Reuters

A capital belga foi hoje de manhã abalada por quatro explosões, duas no aeroporto e mais duas no metro da capital da Bélgica, que fizeram pelo menos 21 mortos e dezenas de feridos.

A procuradoria belga já confirmou que, no caso do aeroporto, tratou-se de um atentado terrorista suicida.

O nível de alerta terrorista na Bélgica foi elevado para quatro, o máximo da escala.

As principais bolsas europeias estão a registar perdas, arrastadas pelas empresas ligadas ao turismo: hotéis, companhias aéreas, gestores aeroportuários e operadores turísticos.

Em concreto, pelas 10:00, empresas como a Ryanair (seguia a perder 4,34%), a Easyjet (-3,46%), a Lufthansa (-2,25%) e a Air France (-4,25%) registavam quedas.

As empresas gestoras de aeroportos seguiam a mesma tendência de perda, com a Airports de París (ADP) a ceder 3,36%, a Fraport AG Fráncfort, a cair 2,16%, e a Aena (Madrid) a recuar 1,02%.

A cadeia hoteleira NH Hoteles seguia a afundar 2,48% e o grupo Melia recuava 2,45%, enquanto o operador turístico Edreams Odig descia 2,61%.

As principais praças europeias seguiam em baixa, embora menos acentuada do que ao início da manhã, com Madrid a recuar 0,66%, Frankfurt 0,51%, Londres 0,40%, Paris 0,34% e Milão 0,59%.

Lisboa seguia a tendência das congéneres europeias, com o principal índice, o PSI20, a descer 0,33%.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.