sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Ministro israelita acusa Europa de ter ignorado perigo

Um ministro israelita acusou hoje a Europa de ter ignorado o perigo de "células terroristas islamitas" no seu solo e ter preferido criticar Israel.

"Repito: vários são aqueles na Europa que preferiram dedicar-se à loucura de condenar Israel, colocar etiquetas nos seus produtos e a boicotar, enquanto no mesmo momento, sob o nariz dos cidadãos do continente, cresciam milhares de células terroristas extremistas islamitas", afirmou o ministro da Ciência, Tecnologia e Espaço, Ofir Akunis, numa reação aos atentados de Bruxelas, na sua página na rede social Facebook.

Akunis, considerado próximo do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, referia-se à decisão da UE de rotular os produtos provenientes dos colonatos judaicos nos territórios palestinianos para os distinguir dos fabricados em Israel.

A UE denuncia regularmente a colonização judaica nos territórios palestinianos, que considera ilegal.

Uma grande parte da direita israelita denunciou esta rotulagem como um boicote contra Israel, o que a UE negou.

"Para nosso grande desgosto, a realidade atingiu dezenas de inocentes", disse, ao apresentar as suas condolências aos belgas e aos familiares das vítimas.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.