sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

"Os nossos mortos merecem mais do que o nosso ódio", lembra BE

O BE afirmou hoje que a primeira resposta aos atentados de hoje em Bruxelas deve ser da mais humilde humanidade, defendendo que aqueles que morreram "merecem mais do que o ódio" pelos terroristas.

Virginia Mayo

"Confrontados com este terror, a nossa primeira resposta deve ser da mais humilde humanidade", afirmou Pedro Filipe Soares, numa declaração em nome da bancada do BE, antes da aprovação, por unanimidade, de um voto de condenação e pesar da Assembleia da República pelos atentados terroristas em Bruxelas.

"Os nossos mortos merecem mais do que o nosso ódio e o ódio era a vitória daqueles que quiseram levar as bombas e que mataram com essas bombas", disse.

Para o líder da bancada parlamentar do BE, aqueles que em Bruxelas, Paris ou Madrid pereceram perante o terror, exigem que a Europa não se vergue perante o ódio e não deixe cair aquilo que construiu: "A liberdade, a defesa do Estado de direito e a garantia que é pela positiva que os direitos se exercem e não pela negativa".

"Não aceitamos ser instrumentalizados naquilo que aqueles que colocaram as bombas querem: que haja um choque de civilizações e de religiões", enfatizou.

Segundo Pedro Filipe Soares houve "desprezo pela vida daqueles que quiseram matar indiscriminadamente", deixando uma "palavra de solidariedade para com o povo belga, para com os povos europeus que foram vítimas de terrorismo e para com as famílias e os amigos daqueles que pereceram".

O deputado bloquista defendeu, por isso, uma resposta singela, que seja "pela positiva, pela afirmação que não há medo que possa destruir" aquilo que custou tanto a construir, como a liberdade e os Estados de direito.

Pelo menos 34 pessoas morreram e perto de duas centenas ficaram feridas nas três explosões registadas hoje em Bruxelas -- duas no aeroporto internacional de Zaventem e uma na estação de metro de Maalbeek, junto às instituições europeias, no centro da capital belga.

O nível de alerta terrorista na Bélgica foi elevado para quatro, o máximo da escala.

Lusa

  • "É necessário reafirmar a solidariedade europeia"
    2:02

    Atentados em Bruxelas

    A propósito dos atentados desta manhã em Bruxelas, o Presidente da República afirmou que é necessário lutar pela democracia, a liberdade, a paz e é necessário reafirmar a solidariedade europeia. Marcelo Rebelo de Sousa disse que já teve oportunidade de comunicar ao Rei Filipe da Bélgica que Portugal está solidário com a situação belga. Marcelo está a acompanhar os acontecimentos com especial atenção à portuguesa ferida nos ataques.

  • Terrorismo volta a abalar a Europa, 34 mortos em Bruxelas
    5:26

    Atentados em Bruxelas

    Pelo menos 34 mortos e pelo menos 200 feridos é o balanço de mais um atentado na Europa. Desta vez os alvos foram um aeroporto e uma estação de metro de Bruxelas. O terrorismo volta a abalar violentamente território europeu. As primeiras explosões ocorreram por volta das 7:00, hora de Lisboa, num dos principais aeroportos da capital belga.

  • Daesh reivindica autoria dos atentados

    Atentados em Bruxelas

    A mensagem foi difundida pela agência de notícias do próprio grupo terrorista e confirmada por um elemento dos Serviços Secretos do Iraque que, sob anonimato, confirmou que a operação foi planeada há dois meses, em Raqqa, no norte da Síria.

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC