sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Ministra da Administração Interna diz que não se justifica alterar o nível de alerta em Portugal

A ministra da Administração Interna disse hoje que não se justifica alterar o nível de alerta de ameaça terrorista em Portugal, avançando que as autoridades mantêm o nível de vigilância e estão em permanente contacto com as congéneres europeias.

MANUEL DE ALMEIDA

"Neste momento as autoridades portuguesas continuam em permanente contacto com as suas congéneres europeias a seguir de forma permanente e contínua toda a situação e mantendo o nível de vigilância que temos tido nos últimos tempos e manteremos durante os próximos tempos", disse aos jornalistas Constança Urbano de Sousa.

As declarações da ministra foram feitas à margem da cerimónia de apresentação pública da missão que a GNR vai realizar, a partir de 01 de abril, na Grécia, no âmbito de uma operação da Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros (Frontex).

Constança Urbano de Sousa adiantou que, neste momento, "não se justifica alterar o estado de alerta" em Portugal, que se encontra no nível moderado.

"Não podemos reagir a estes atentados, que são hediondos, por impulso. Temos que fazer uma avaliação e o Governo tem total confiança nas forças e serviços de segurança que estão no terreno e acompanham permanentemente esta situação", afirmou, destacando que o trabalho é "diário e contínuo".

A ministra disse também que a ameaça terrorista é "real e vai perdurar", não se conseguindo "acabar com ela de hoje para amanhã".

Por isso, sustentou que "exige um trabalho diário, persistente, contínuo em todas as frentes da luta contra o terrorismo", desde a prevenção, até à proteção, reação e perseguição criminal de todas aquelas pessoas que cometem estes crimes.

Questionada sobre a Estratégia Nacional de Combate ao Terrorismo, aprovada há cerca de um ano pelo anterior Governo, Constança Urbano de Sousa disse que o seu "nível de execução é satisfatório", existindo cada vez "uma maior partilha de informações entre todos os intervenientes no terreno" e "é continuada no tempo".

Constança Urbano de Sousa vai participar, na quinta-feira, em Bruxelas, juntamente com a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, no Conselho Extraordinário de Justiça e Assuntos Internos (JAI), reunião que foi marcada após os atentados de terça-feira em Bruxelas.

"Vamos discutir a situação da ameaça terrorista na Europa e reação da União Europeia a essa ameaça", disse ainda a ministra da Administração Interna.

Os atentados de Bruxelas, que visaram o aeroporto da capital da Bélgica e uma estação de metro do centro da cidade, fizeram pelo menos 31 mortos e 270 feridos.

Segundo a procuradoria belga, dois dos autores dos ataques são os irmãos Ibrahim e Khalil El-Bakraoui, nascidos em Bruxelas e de nacionalidade belga, havendo dois outros suspeitos por identificar, um dos quais está em fuga.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.