sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Primeiro-ministro francês considera urgente reforçar fronteiras externas da UE

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, considerou hoje "urgente" reforçar o controlo nas fronteiras externas da União Europeia, após os atentados em Bruxelas de terça-feira, que mataram 34 pessoas e foram reivindicados pelo Estado Islâmico.

"Há uma necessidade urgente de reforçar as fronteiras externas da União Europeia", disse Manuel Valls à rádio francesa, acrescentando que é necessária uma intensificação da vigilância para impedir as pessoas de atravessarem a Europa com passaportes falsos, já que o grupo extremista "roubou um grande número de passaportes na Síria".

Meios de comunicação social belgas noticiam hoje que dois irmãos de apelido El Bakraoui, que tinham já ficha na polícia mas não por terrorismo, foram identificados entre os alegados bombistas suicidas dos atentados de terça-feira no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas.

Um deles, Khalid, tinha alugado, com uma identidade falsa, a casa na Rue du Dries, no bairro de Forest, onde no passado dia 15 de março ocorreu um tiroteio em que um dos suspeitos morreu e outros dois fugiram, incluindo Salah Abdeslam, implicado nos atentados de Paris e que acabou por ser posteriormente detido.

Khalid e Ibrahim El Bakraui, ambos de Bruxelas, estavam nos registos da polícia por atos de vandalismo, mas não por crimes ligados a terrorismo.

Houve duas explosões no aeroporto de Zaventem na terça-feira, com um intervalo de vários segundos, cerca das 07:00, na zona de venda de bilhetes da Brussels Airlines e American Airlines.

Aqui morreram 14 pessoas e outras cem ficaram feridas. Na estação de metropolitano de Maalbeek, a apenas 200 metros da sede da Comissão Europeia, uma terceira explosão, ocorrida cerca das 08:10, provocou a morte a pelo menos 20 pessoas e ferimentos a outra centena.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46