sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Segundo suicida do aeroporto de Bruxelas identificado

O segundo suicida do aeroporto de Bruxelas foi identificado como Najim Laachraoui, segundo o jornal francês Le Monde e vários média belgas. A informação foi corroborada por fontes policiais citadas pela agência France Press. O suspeito, que terá também ligações aos ataques de Paris, já tinha sido hoje apontado como o terceiro homem em fuga e procurado pelas autoridades.

O homem mais à direita na foto continua foragido e por identificar.

O homem mais à direita na foto continua foragido e por identificar.

Najim Laachraoui terá sido afinal um dos três bombistas que se fez explodir nos ataques de terça-feira, em Bruxelas, além dos irmãos El Bakraoui.

Será o homem da esquerda na imagem de videovigilância e não o da direita, como chegou a ser noticiado esta manhã. O homem de chapéu, que se terá arrependido e não detonou a bomba que transportava, continua em fuga e por identificar.

Laachraoui era conhecido sob o nome falso de Soufiane Kayal. Terá sido ele a fabricar os engenhos explosivos para o massacre de novembro na capital francesa.

Última atualização às 19:07

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.