sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Ministros europeus acordam "necessidade absoluta" de reforçar troca de informações

A ministra da Administração Interna (MAI) declarou esta quinta-feira que a reunião de ministros europeus tida em Bruxelas após os atentados de terça-feira resultou na "necessidade absoluta" assumida por todos de haver um reforço na "troca de informações" sobre possíveis suspeitos.

© Francois Lenoir / Reuters

"A ideia principal que saiu deste Conselho é a necessidade absoluta que temos de implementar e reforçar a partilha e a troca de informações", advogou Constança Urbano de Sousa, que falava na capital belga após uma reunião de perto de três horas tida entre os ministros da Justiça e da Administração Interna da União Europeia.

O Governo português esteve representado por Constança Urbano de Sousa e pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, que apresentaram junto do ministro do Interior belga as "condolências, solidariedade e total cooperação" de Portugal neste "momento difícil" para a Bélgica.

A livre circulação das pessoas a respetiva defesa da segurança dos cidadãos foram elementos descritos pela MAI como "pilares estruturais" que têm de continuar a ser defendidos: "É imperioso que o façamos", assinalou.

Os governantes estiveram reunidos hoje de emergência, em Bruxelas, na sequência dos atentados de terça-feira na capital da Bélgica.

Após os atentados em Bruxelas, que provocaram pelo menos 31 mortos e 300 feridos, a presidência semestral holandesa da União Europeia anunciou a realização de uma reunião dos "ministros da Justiça e Administração Interna e representantes das instituições da UE".

Este conselho extraordinário de Justiça e Assuntos Internos teve como ponto de agenda a adoção de uma declaração conjunta de "clara condenação dos atentados terroristas" de Bruxelas.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.