sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Mais três detidos na investigação dos atentados em Bruxelas

Três pessoas foram hoje detidas em várias comunas de Bruxelas na sequência na investigação conduzida depois do atentado frustrado na cidade francesa de Argenteuil, adiantou o Ministério Público belga.

Alastair Grant

"Foram realizadas duas investigações no âmbito do caso de terrorismo ligado à detenção em Argenteuil em França de Reda Kriket", afirmou o Ministério Público belga num comunicado hoje emitido.

Na nota, as autoridades referem que estas três detenções ocorreram nas comunas de Forest, Saint-Gilles e Schaerbeek e acrescentam que os dois primeiros detidos foram identificados como Tawfik A. e Salah A., respetivamente, mas não identificam a terceira pessoa detida.

A polícia francesa tinha já adiantado que a operação que decorre nos subúrbios de Bruxelas, em Schaerbeek, estava relacionada com a investigação sobre a detenção de Reda Kriket, de 34 anos, em Paris, que tinha armas pesadas e explosivos no seu apartamento.

Kriket foi condenado no ano passado na Bélgica, juntamente com Abdelhamid Abaaoud, o suposto líder dos ataques a Paris em novembro do ano passado.

Na terça-feira, vários atentados terroristas no aeroporto de Zaventem e na estação de metropolitano de Maelbeek fizeram 31 mortos e cerca de 300 feridos na capital da Bélgica.

A comuna bruxelense de Schaerbeek tem sido uma das mais faladas nos últimos dias porque as autoridades têm repetido ações na zona na procura de pistas e suspeitos ligados aos atentados na capital belga e também em Paris, em novembro passado.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.