sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Protesto de grupo afastado pela polícia em Bruxelas visava imigrantes

Os elementos vestidos de negro que sobressaltaram hoje a homenagem às vítimas dos atentados em Bruxelas alegaram que a ação, interrompida pela polícia, visava os imigrantes, acusados de viverem à conta do estado social belga.

Em declarações à Lusa, um dos manifestantes vestidos de negro que ocuparam hoje a Praça da Bolsa, em Bruxelas, disse "estar farto disto: Eles só têm direitos, não querem ter obrigações", numa referência aos imigrantes.

O homem falou à Lusa em espanhol, alegando que é descendente de imigrantes espanhóis no país mas afirmando-se diferente de quem está a chegar agora de novo à Bélgica.

A sua mãe, disse, imigrou de Espanha para a Bélgica aos 14 anos, com o avô, para trabalharem, "ao contrário destes".

"Estou farto do que se passa. Tanto faz sejam muçulmanos ou não. Eles nem têm que trabalhar porque lhes dão tudo", afirmou o elemento do grupo, integralmente vestido de preto e que foi afastado da Praça da Bolsa pelas autoridades belgas.

Vindo de Gent, perto de Antuérpia, o homem não quis esclarecer novas ações do grupo associado à extrema-direita, limitando-se a dizer: "Estamos preparados para a guerra".

O grupo foi afastado da Praça da Bolsa até à Gare do Norte, onde foi forçado a entrar nas composições ferroviárias. O trajeto feito, de cerca de dois quilómetros, acabou por ser semelhante ao que estava previsto pela "Marcha contra o medo", uma ação de repúdio dos atentados que acabou por ser desconvocada.

A acompanhar este grupo, atrás da polícia, três jovens de Bruxelas que foram à Praça da Bolsa para participar na "Marcha contra o medo" fizeram questão de percorrer o caminho da praça da Bolsa até à Gare do Norte para ver o que se passava.

Um dos jovens disse à Lusa que a posição manifestada pelo grupo vestido de negro "é muito perigosa".

Os três jovens observavam as escadas de acesso à estação e lembravam que o seu objetivo de hoje era participar na marcha, mas não sabiam que tinha sido cancelada.

Os indivíduos que sobressaltaram a concentração pacífica "são da extrema-direita", acusam o grupo de 20 anos, que se demarcam daquelas posições xenófobas.

Lusa

  • Nomeados para os Óscares são anunciados hoje

    Óscares 2017

    As nomeações para a 89ª. edição dos Óscares, os prémios da Academia norte-americana de cinema, são conhecidos esta terça-feira e pela primeira vez o anúncio será feito apenas via Internet. Para ver também aqui em direto, na SIC Notícias, a partir das 13:00.

    Aqui às 13:00

  • "O Sporting é o um barco à deriva"
    2:26
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    A crise do Sporting foi o principal tema em O Dia Seguinte, esta segunda-feira. José Guilherme Aguiar censura Bruno de Carvalho por ter convidado Jorge Jesus para a comissão de honra da recandidatura. Já Rogério Alves não tem dúvidas que a contestação tem aumentado de tom devido à proximidade das eleições do Sporting. Rui Gomes da Silva pensa que toda a direção leonina é responsável pelo mau momento atual do clube.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • "Todo o mundo no voo estava a orar em voz alta"
    4:00
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.