sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Protesto de grupo afastado pela polícia em Bruxelas visava imigrantes

Os elementos vestidos de negro que sobressaltaram hoje a homenagem às vítimas dos atentados em Bruxelas alegaram que a ação, interrompida pela polícia, visava os imigrantes, acusados de viverem à conta do estado social belga.

Em declarações à Lusa, um dos manifestantes vestidos de negro que ocuparam hoje a Praça da Bolsa, em Bruxelas, disse "estar farto disto: Eles só têm direitos, não querem ter obrigações", numa referência aos imigrantes.

O homem falou à Lusa em espanhol, alegando que é descendente de imigrantes espanhóis no país mas afirmando-se diferente de quem está a chegar agora de novo à Bélgica.

A sua mãe, disse, imigrou de Espanha para a Bélgica aos 14 anos, com o avô, para trabalharem, "ao contrário destes".

"Estou farto do que se passa. Tanto faz sejam muçulmanos ou não. Eles nem têm que trabalhar porque lhes dão tudo", afirmou o elemento do grupo, integralmente vestido de preto e que foi afastado da Praça da Bolsa pelas autoridades belgas.

Vindo de Gent, perto de Antuérpia, o homem não quis esclarecer novas ações do grupo associado à extrema-direita, limitando-se a dizer: "Estamos preparados para a guerra".

O grupo foi afastado da Praça da Bolsa até à Gare do Norte, onde foi forçado a entrar nas composições ferroviárias. O trajeto feito, de cerca de dois quilómetros, acabou por ser semelhante ao que estava previsto pela "Marcha contra o medo", uma ação de repúdio dos atentados que acabou por ser desconvocada.

A acompanhar este grupo, atrás da polícia, três jovens de Bruxelas que foram à Praça da Bolsa para participar na "Marcha contra o medo" fizeram questão de percorrer o caminho da praça da Bolsa até à Gare do Norte para ver o que se passava.

Um dos jovens disse à Lusa que a posição manifestada pelo grupo vestido de negro "é muito perigosa".

Os três jovens observavam as escadas de acesso à estação e lembravam que o seu objetivo de hoje era participar na marcha, mas não sabiam que tinha sido cancelada.

Os indivíduos que sobressaltaram a concentração pacífica "são da extrema-direita", acusam o grupo de 20 anos, que se demarcam daquelas posições xenófobas.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.