sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Protesto de grupo afastado pela polícia em Bruxelas visava imigrantes

Os elementos vestidos de negro que sobressaltaram hoje a homenagem às vítimas dos atentados em Bruxelas alegaram que a ação, interrompida pela polícia, visava os imigrantes, acusados de viverem à conta do estado social belga.

Em declarações à Lusa, um dos manifestantes vestidos de negro que ocuparam hoje a Praça da Bolsa, em Bruxelas, disse "estar farto disto: Eles só têm direitos, não querem ter obrigações", numa referência aos imigrantes.

O homem falou à Lusa em espanhol, alegando que é descendente de imigrantes espanhóis no país mas afirmando-se diferente de quem está a chegar agora de novo à Bélgica.

A sua mãe, disse, imigrou de Espanha para a Bélgica aos 14 anos, com o avô, para trabalharem, "ao contrário destes".

"Estou farto do que se passa. Tanto faz sejam muçulmanos ou não. Eles nem têm que trabalhar porque lhes dão tudo", afirmou o elemento do grupo, integralmente vestido de preto e que foi afastado da Praça da Bolsa pelas autoridades belgas.

Vindo de Gent, perto de Antuérpia, o homem não quis esclarecer novas ações do grupo associado à extrema-direita, limitando-se a dizer: "Estamos preparados para a guerra".

O grupo foi afastado da Praça da Bolsa até à Gare do Norte, onde foi forçado a entrar nas composições ferroviárias. O trajeto feito, de cerca de dois quilómetros, acabou por ser semelhante ao que estava previsto pela "Marcha contra o medo", uma ação de repúdio dos atentados que acabou por ser desconvocada.

A acompanhar este grupo, atrás da polícia, três jovens de Bruxelas que foram à Praça da Bolsa para participar na "Marcha contra o medo" fizeram questão de percorrer o caminho da praça da Bolsa até à Gare do Norte para ver o que se passava.

Um dos jovens disse à Lusa que a posição manifestada pelo grupo vestido de negro "é muito perigosa".

Os três jovens observavam as escadas de acesso à estação e lembravam que o seu objetivo de hoje era participar na marcha, mas não sabiam que tinha sido cancelada.

Os indivíduos que sobressaltaram a concentração pacífica "são da extrema-direita", acusam o grupo de 20 anos, que se demarcam daquelas posições xenófobas.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.