sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Sobe para 35 o número de mortos dos ataques em Bruxelas

Os números foram atualizados pelo Centro de Crise de Bruxelas. Os atentados fizeram 35 vítimas mortas, incluindo os três terroristas, e mais de 300 feridos,

Martin Meissner

Os responsáveis que falavam no centro de crise belga indicaram que 31 vítimas morreram no aeroporto e no metro da capital belga e quatro sucumbiram posteriormente aos ferimentos no hospital.

Este número de 35 vítimas mortais não inclui os três bombistas suicidas, dois dos quais se fizeram explodir no aeroporto Bruxelas-Zaventem e um na estação de metro Maelbeek.

O balanço anterior era de 31 mortos, não incluindo as vítimas que morreram no hospital.

Dos 31 mortos encontrados nas zonas dos crimes, 28 já foram identificados: 16 são belgas e 12 estrangeiros, de nacionalidades norte-americana, holandesa, sueca, alemã, francesa, chinesa, italiana e britânica.

Os atentados causaram igualmente 340 feridos, de nacionalidade belga e de 19 outros países.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras