sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Aeroporto de Zaventem vai continuar fechado esta quarta-feira

O aeroporto de Bruxelas, alvo de atentados terroristas há uma semana, continuará encerrado na quarta-feira, segundo informação da empresa colocada na rede social Twitter.

© POOL New / Reuters

A infraestrutura foi testada durante a tarde com a participação voluntária de 800 funcionários do aeroporto, tendo no local sido instalada uma estrutura temporária com balcões para o registo de passageiros.

Caso a avaliação seja positiva, o aeroporto deverá reabrir a 20% da sua capacidade habitual, ou seja 800 a mil passageiros por dia.

Por seu lado, a companhia aérea Brussels Airlines revelou à agência AFP que está a perder cinco milhões de euros por dia com o encerramento do aeroporto de Zaventem, que foi alvo de dois bombistas suicidas.

Ainda a nível dos transportes, a sociedade pública de Bruxelas anunciou que todas as estações do metropolitano da capital belga reabrirão na quarta-feira, excetuado Maelbeek, alvo também de atentado terrorista na passada terça-feira.

As estações vão funcionar entre as 07:00 e as 22:00.

A circulação de elétricos e de autocarros decorrerá normalmente, com exceção apenas da linha número 12, que opera entre a cidade e o aeroporto.

Os atentados de terça-feira provocaram 35 mortos e 340 feridos.

Lusa

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.