sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Hotéis de Bruxelas com quebras superiores a 50% na taxa de ocupação

A taxa de ocupação nos hotéis de Bruxelas, depois dos atentados do passado dia 22, baixaram mais de 50%, informou hoje a associação de hotelaria local, que solicitou a rápida adoção de medidas devido a um provável "desastre social".

"The Hotel", em Bruxelas.

"The Hotel", em Bruxelas.

© Francois Lenoir / Reuters

Em declarações à agência noticiosa Belga, o porta-voz da associação, Rodolphe Van Weyenbergh, referiu a diminuição em mais de metade da taxa de ocupação entre o dia 22 e a segunda-feira de Páscoa, que é feriado na Bélgica.

"A 28 de março, a taxa de ocupação nos hotéis era de 18%, como nunca visto", indicou o responsável, lembrando as perdas já suportadas pelo setor em novembro, depois da subida do nível de alerta na sequência dos atentados de Paris.

Não esquecendo o período de recolhimento que ainda se vive no país, Van Weyenbergh sublinhou a responsabilidade da associação para com os trabalhadores e instou as autoridades a adotarem rapidamente medidas para evitar a "perda de milhares de postos de trabalho".

A associação solicita um acesso facilitado e pleno ao subsídio de desemprego e a supressão temporária do imposto de Turismo, considerado, pelo setor, como um dos mais altos no mundo.

Reivindicadas pelos extremistas do Estado Islâmico e perpetradas por três bombistas suicidas, as explosões no aeroporto de Zaventem e na estação de metropolitano de Maelbeek provocaram 32 mortos e 340 feridos.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.