sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Bombista-suicida deixa nota que desresponsabiliza cúmplices

Ibrahim El Bakraoui, que se fez explodir no aeroporto internacional de Bruxelas a 22 de março, deixou uma mensagem no computador encontrado num caixote do lixo após o atentado, na qual desculpa os outros suspeitos detidos por cumplicidade.

Ibrahim El Bakraoui

Ibrahim El Bakraoui

No computador encontrado numa rua de Schaerbeek, que também continha o seu testamento, Ibrahim El Bakraoui, um belga de 29 anos, menciona diferentes suspeitos que o ajudaram na preparação do atentado suicida, através da compra ou do arrendamento de 'casas seguras', escrevem hoje os diários do grupo Mediahuis.

Não obstante, diz El Bakraoui -- cujo irmão Khalid se fez explodir no metro de Maelbeek -- estes "ajudantes" não sabiam em que é que cooperavam.

Entre eles figuraria Mohamed Bakkali, de 28 anos, considerado o homem que alugou a casa em Schaerbeek, onde foram fabricados os cintos explosivos para os atentados de 13 de novembro, em Paris.

Este também alugou a casa de Auvelais, perto de Namur, onde também foram fabricados cintos explosivos.

Segundo a mensagem de Ibrahim, Bakkali não estava a par do objetivo final, algo que os investigadores belgas consideram improvável, indica a Agência Belga citada pela Efe.

Os atentados terroristas de 22 de março, no aeroporto e na estação de metro de Maelbeeck, em Bruxelas, causaram 32 mortos e 340 feridos.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras