sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

PM belga recusa que país seja visto como um "falhanço" na luta contra o terrorismo

O primeiro-ministro belga recusou hoje que o país seja sinónimo de falhanço em termos de terrorismo, lembrando os quatro meses de captura de Salah Abdeslam, envolvido nos ataques de Paris, contra os anos necessários para encontrar Osama Bin Laden.

Primeiro-ministro belga, Charles Michel

Primeiro-ministro belga, Charles Michel

© Francois Lenoir / Reuters

"Não aceito a ideia de que o país é um falhanço", afirmou Charles Michel, num encontro com a imprensa estrangeira, em Bruxelas, enumerando as 100 condenações judiciais, ligadas ao terrorismo, registadas no ano passado e a prevenção de vários ataques.

O chefe do executivo sublinhou que a Bélgica demorou quatro meses a deter Abdeslam, enquanto os Estados Unidos "precisaram de anos" para neutralizar o líder e fundador da Al-Qaeda, Osama Bin Laden.

Quando passam duas semanas sobre os atentados do aeroporto e do metropolitano da capital belga, que mataram mais de 30 pessoas, o primeiro-ministro notou ainda que "muito frequentemente" os perpetuadores de ataques "são identificados num ou noutro local".

"Foi o mesmo noutros ataques", resumiu Charles Michel, reportando-se às informações que, por exemplo, a Turquia tinha feito chegar à Bélgica, durante o verão de 2015, sobre um dos bombistas de 22 de março.

Atualmente, a prioridade, segundo o governante, é trabalhar na maior partilha de informação e acelerar nomeadamente o Registo Nacional de Passageiros (conhecido pela sigla PNR, em inglês) "que está a ser discutido há 10 anos".

Charles Michel admitiu que a Bélgica, "um país pequeno no coração da Europa", revela-se como um "sítio fácil para organizar ataques noutros países".

"Temos que trabalhar de forma mais eficaz", repetiu, por diversas vezes à imprensa estrangeira o governante, indicando ser uma tarefa global o combate à radicalização e ao terrorismo e que "não existe o risco zero".

Na conferência de imprensa dirigida a correspondentes de órgãos estrangeiros de comunicação social, o ministro-presidente da Região Bruxelas-Capital, Rudi Vervoort anunciou o objetivo de ter o metro a funcionar totalmente no final da próxima semana.

Os dirigentes repetiram várias vezes a mensagem de que "está de volta a vida normal em Bruxelas e à Bélgica", reconhecendo "um antes e um depois de 22 de março".

A reabertura progressiva dos voos no aeroporto de Zaventem, as patrulhas mistas de polícias e militares, assim como reforço de pessoas e meios a nível da segurança, mas mantendo o respeito pelo direito à vida privada, foram pontos sublinhados.

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01