sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Contagem final de vítimas dos atentados em Bruxelas ainda não acabou

Um procurador federal belga afirmou hoje, na comissão de inquérito parlamentar, que a lista das vítimas dos atentados de Bruxelas ainda não está fechada por faltar contabilizar feridos que abandonaram o aeroporto e o metropolitano.

Várias mensagens, em várias línguas, foram escritas a giz no chão em Bruxelas, Bélgica

Várias mensagens, em várias línguas, foram escritas a giz no chão em Bruxelas, Bélgica

© Charles Platiau / Reuters

Segundo Frédéric Van Leeuw, além das pessoas que abandonaram os locais afetados pelas explosões de 22 de março, também falta contabilizar feridos que procuraram assistência médica pelos próprios meios e que "não podem ser esquecidos".

Cerca de 300 processos devem agora ser examinados para garantir que os sobreviventes fazem valer os seus direitos.

Apoiada numa base cientifica, a identificação dos mortos iniciou-se dois dias depois dos ataques reivindicados pelos extremistas do Estado Islâmico e completada numa semana, sem qualquer erro, acrescentou Van Leeuw.

Os atentados mataram 32 pessoas e devido às consequências das explosões em alguns cadáveres foram realizadas análises de ADN e, na medida do possível, reconstituições dos corpos, disse.

Ainda há 500 partes de corpos para identificar, oriundas sobretudo da estação de metropolitano de Maelbeek.


Lusa

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.