sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Contagem final de vítimas dos atentados em Bruxelas ainda não acabou

Um procurador federal belga afirmou hoje, na comissão de inquérito parlamentar, que a lista das vítimas dos atentados de Bruxelas ainda não está fechada por faltar contabilizar feridos que abandonaram o aeroporto e o metropolitano.

Várias mensagens, em várias línguas, foram escritas a giz no chão em Bruxelas, Bélgica

Várias mensagens, em várias línguas, foram escritas a giz no chão em Bruxelas, Bélgica

© Charles Platiau / Reuters

Segundo Frédéric Van Leeuw, além das pessoas que abandonaram os locais afetados pelas explosões de 22 de março, também falta contabilizar feridos que procuraram assistência médica pelos próprios meios e que "não podem ser esquecidos".

Cerca de 300 processos devem agora ser examinados para garantir que os sobreviventes fazem valer os seus direitos.

Apoiada numa base cientifica, a identificação dos mortos iniciou-se dois dias depois dos ataques reivindicados pelos extremistas do Estado Islâmico e completada numa semana, sem qualquer erro, acrescentou Van Leeuw.

Os atentados mataram 32 pessoas e devido às consequências das explosões em alguns cadáveres foram realizadas análises de ADN e, na medida do possível, reconstituições dos corpos, disse.

Ainda há 500 partes de corpos para identificar, oriundas sobretudo da estação de metropolitano de Maelbeek.


Lusa

  • 10 Minutos com Ana Catarina Mendes
    10:28

    10 Minutos

    A secretária geral adjunta do PS diz que não percebe porque é que o PSD levou tanto tempo a escolher o candidato à Câmara de Lisboa. Em entrevista no 10 Minutos da SIC Noticias, Ana Catarina Mendes considerou ainda que Pedro Passos Coelho não tem estado à altura de um líder da oposição. Quanto às legislativas, entende que o PS deve concorrer sozinho às eleições.

    Entrevista na íntegra

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.