sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Aeroporto de Bruxelas sem plano de emergência para ataques terroristas

O aeroporto de Bruxelas está sem plano para responder a ataques terroristas como os de 22 de março e a comunicação entre os serviços de socorro foi desastrosa, segundo um relatório hoje divulgado pela imprensa belga.

Os atentados de Bruxelas fizeram mais de 30 mortos e cerca de 300 feridos.

Os atentados de Bruxelas fizeram mais de 30 mortos e cerca de 300 feridos.

© POOL New / Reuters

A gestão da situação e a falta de comunicação entre serviços de socorro nas primeiras horas após as duas explosões de bombistas suicidas no aeroporto internacional de Zaventen são criticadas num relatório da comissão de inquérito do parlamento federal, divulgado pelo Le Soir e a televisão pública RTBF.

"A 22 de março, assistimos a uma falha total da comunicação", concluíram os relatores, dando como exemplo a saturação da rede de rádio usada pela polícia e bombeiros, de tal modo que falharam 34 mil tentativas de comunicação, quase uma em cada quatro.

No relatório defende-se uma revisão profunda do funcionamento do centro de crise e lamenta ainda o congestionamento das redes de telemóveis, que deixaram de funcionar.

"Na prática, os serviços de socorro recorreram várias vezes a soluções criativas", refere o documento, tendo sido usadas aplicações como o WhatsApp para os vários intervenientes conseguirem comunicar e coordenar-se entre si.

A comissão de inquérito refere ainda que os planos de emergência concebidos para o aeroporto não previam atentados terroristas, pelo que nunca houve exercícios neste âmbito e apela a que estes sejam revistos "com urgência".

Por seu lado, a empresa que explora a rede de metro, autocarros e elétricos, a STIB, tinha já feito um plano de emergência após os atentados na estação de comboios Atocha, em Madrid, em 2004, e um centro de comando foi imediatamente ativado após o atentado na estação do metro de Maelbeeck.

Os atentados de 22 de março, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, fizeram um total de 32 mortos no aeroporto e no metro em Bruxelas.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42