sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Atentados de março em Bruxelas custaram quase mil milhões em receitas fiscais

Estragos visíveis no aeroporto de Bruxelas.

© Francois Lenoir / Reuters

Os atentados de 22 de março em Bruxelas custaram à Bélgica quase mil milhões de euros em receitas fiscais e queda nas vendas, representando cerca de 0,1% do PIB, segundo um relatório hoje divulgado.

O relatório, encomendado pelo Ministério da Economia belga e publicado hoje em vários órgãos de comunicação social, indica que no primeiro trimestre deste ano foram registadas 112,5 milhões de vendas a menos, enquanto na região da Flandres caiu para 33 milhões no número total de vendas e na Valónia para 20 milhões.

Os setores mais afetados foram a hotelaria, o pequeno comércio, as atividades culturais e de entretenimento.

Em março de 2016, a taxa de ocupação hoteleira em Bruxelas caiu para 36%, em comparação com os 45% registados em igual período de 2015.

No setor da hotelaria belga registaram-se perdas de 359 milhões de euros por causa dos atentados.

O ministro da Economia belga, Kris Peeters, reconheceu, em declarações ao diário "Dernière Heure", que vão ser necessários "meses ou anos para saber o impacto económico e os danos da imagem do país a curto e médio prazo".

Peeters adiantou que o Governo belga "ativou todos os instrumentos possíveis para ajudar as empresas".

O ministro disse ainda esperar que as férias e o bom tempo, os turistas apostem em Bruxelas e noutras cidades turísticas do país, pelo que recomendou aos profissionais do setor "para se manterem vigilantes".

Os atentados também provocaram um aumento de benefícios em outros setores como o táxi, que devido às limitações nos transportes públicos em Bruxelas depois dos atentados, aumentou a faturação em 6,8%.

Os atentados suicidas no aeroporto e no metropolitano de Bruxelas em março causaram 32 mortos. Os dois atentados foram reivindicados pelo grupo extremista Daesh.


Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.