sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Atentados de março em Bruxelas custaram quase mil milhões em receitas fiscais

Estragos visíveis no aeroporto de Bruxelas.

© Francois Lenoir / Reuters

Os atentados de 22 de março em Bruxelas custaram à Bélgica quase mil milhões de euros em receitas fiscais e queda nas vendas, representando cerca de 0,1% do PIB, segundo um relatório hoje divulgado.

O relatório, encomendado pelo Ministério da Economia belga e publicado hoje em vários órgãos de comunicação social, indica que no primeiro trimestre deste ano foram registadas 112,5 milhões de vendas a menos, enquanto na região da Flandres caiu para 33 milhões no número total de vendas e na Valónia para 20 milhões.

Os setores mais afetados foram a hotelaria, o pequeno comércio, as atividades culturais e de entretenimento.

Em março de 2016, a taxa de ocupação hoteleira em Bruxelas caiu para 36%, em comparação com os 45% registados em igual período de 2015.

No setor da hotelaria belga registaram-se perdas de 359 milhões de euros por causa dos atentados.

O ministro da Economia belga, Kris Peeters, reconheceu, em declarações ao diário "Dernière Heure", que vão ser necessários "meses ou anos para saber o impacto económico e os danos da imagem do país a curto e médio prazo".

Peeters adiantou que o Governo belga "ativou todos os instrumentos possíveis para ajudar as empresas".

O ministro disse ainda esperar que as férias e o bom tempo, os turistas apostem em Bruxelas e noutras cidades turísticas do país, pelo que recomendou aos profissionais do setor "para se manterem vigilantes".

Os atentados também provocaram um aumento de benefícios em outros setores como o táxi, que devido às limitações nos transportes públicos em Bruxelas depois dos atentados, aumentou a faturação em 6,8%.

Os atentados suicidas no aeroporto e no metropolitano de Bruxelas em março causaram 32 mortos. Os dois atentados foram reivindicados pelo grupo extremista Daesh.


Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14