sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Mais de 500 polícias pediram ajuda psicológica depois dos atentados de Bruxelas

Mais de 500 polícias pediram ajuda psicológica depois dos atentados de 22 de março em Bruxelas, que fizeram 32 vítimas mortais, informa a cadeia de rádio e televisão RTBF na sua página na Internet.

O ministro do Interior belga, Jan Jambon, indicou que 520 agentes recorreram aos serviços de apoio psicológico da polícia federal depois dos ataques no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maelbeek.

"Trata-se sobretudo de pedidos em grupo das unidades para os elementos do pessoal que atuaram no aeroporto ou na estação de metro de Maelbeelk", esclareceu o ministro em resposta a uma questão parlamentar escrita, citada pela RTBF.

Mais de quatro meses depois dos atentados, os oficiais da polícia continuam a poder solicitar este apoio psicológico.

Jambon refere, no entanto, que das 520 pessoas que pediram ajuda até agora apenas uma parte continua a receber tratamento.

Os atentados na capital belga foram reivindicados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.