Festivais 2018

Catorze detidos por tráfico de droga no festival Summer Fest na Ericeira

Catorze pessoas foram detidas por posse e tráfico de droga durante o festival Summer Fest, que se realizou no fim de semana na Ericeira, concelho de Mafra, e ficaram sujeitas a termo de identidade e residência, anunciou esta segunda-feira a GNR.

Os 14 cidadãos, entre os 14 e os 28 anos, foram detidos pela GNR entre quinta-feira e sábado passados, durante uma operação especial de prevenção criminal, realizada durante o festival Summer Fest, no distrito de Lisboa.

Os detidos, na maioria já com antecedentes criminais, ficaram sujeitos a termo de identidade e residência.

A GNR levantou ainda 47 contraordenações por consumo de estupefacientes e apreendeu múltiplas doses de cannabis, cocaína e MDMA.
O Festival Summer Fest juntou cerca de 30 mil pessoas a assistirem aos concertos de sexta e sábado à noite.

Na sexta-feira, pelo palco, passaram, o projeto "Summer Clash", com 'rappers' portugueses e brasileiros, o 'rapper' norte-americano French Montana, e os nacionais Wet Bed Gang, April Ivy, Fresh P, Dois Brancos & Um Preto e Cupcake Mafia.

No sábado, a noite foi ao som do DJ The Jillionaire, dos Major Lazer, dos 'rappers' norte-americanos Joey Bada$$, Vic Mensa, dos portugueses Piruka e Pongo e ainda do DJ Sensi, Mike Lyte e Projecto Bug.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16