Festivais 2018

David Byrne atua em Cascais no arranque da 15.ª edição do Cool Jazz

Paul R. Giunta

O festival de música CoolJazz, que este ano transitou de Oeiras para Cascais, começa na quarta-feira com David Byrne, estendendo-se até ao final do mês com espetáculos de, entre outros, BadBadNotGood, Salvador Sobral e Van Morrison.

O músico, fundador dos Talking Heads e responsável por temas como "Once in a lifetime" e "Burning down the house", atua no hipódromo Manuel Possolo, meses depois de ter editado "American Utopia".

A primeira parte do concerto de David Byrne, que atuou em Portugal em 2009 pela última vez, será assegurada pela cantora Sara Tavares e pela trompetista Jessica Pina.

A 15.ª edição do Cool Jazz prossegue a 17 de julho, no parque Marechal Carmona, com os canadianos BadBadNotGood, que se estrearam ao vivo em Portugal no ano passado no festival Paredes de Coura, que terão na primeira parte os portugueses Dead Combo e o contrabaixista Ricardo Marques.Um dia depois, a 18 de julho, o festival dá "carta-branca" a Salvador Sobral.

Segundo a organização, o músico terá "carta-branca" para interpretar um "repertório diverso e inédito", com passagem pelo jazz, pelos sons da América do Sul e pelos "êxitos que o catapultaram para um patamar de maior reconhecimento". Nesse dia, atuam também o músico angolano Toty Sa'med e o saxofonista português Elmano Coelho.

Para 20 de julho, no hipódromo Manuel Possolo, está marcada a atuação do cantor e compositor norte-americano Gregory Porter, que terá na primeira parte o trio Elas e o Jazz, que integra as cantoras Marta Hugon, Joana Machado e Mariana Norton em torno de 'standards' do jazz, e o pianista Vasco Pimentel.

A edição deste ano, que inclui ainda atuações da britânica Jessie Ware - a 26 de julho no parque Marechal Carmona, com o multi-instrumentista neozelandês Jordan Rakei e o trompetista Diogo Duque na primeira parte - e do irlandês Van Morrison, com a primeira parte a cargo do grupo português Off The Road - termina a 31 de julho.

Para encerrar a 15.ª edição o festival, a organização escolheu a norte-americana Norah Jones, que se apresentará em formato trio com os músicos Brian Blade (bateria) e Chris Thomas (baixo). Nesse dia, a primeira parte é assegurada pelo músico português Benjamim e pela trompetista Jessica Pina.

O Cool Jazz aconteceu pela primeira vez em 2004 repartido por palcos nos concelhos de Mafra, Sintra, Oeiras e Cascais.

Na 15.ª edição fixa-se em Cascais, dividindo-se os espetáculos entre o hipódromo Manuel Possolo e o parque Marechal Carmona, havendo também atuações, de DJ, com entrada gratuita, nos jardins Paula Rego.

Nos jardins Paula Rego vão atuar Kalaf, a 15 de julho, Pedro Tenreiro, a 22, e Vitor Belanciano, a 29.

A Câmara Municipal de Cascais e a organização do CoolJazz fecharam um acordo de quatro anos para realização do festival no concelho.

Desde a primeira edição, o Cool Jazz já acolheu mais de 130 concertos. Pelo festival passaram bandas e artistas como John Legend, Sharon Jones and The Dap-Kings, Diana Krall, Katie Melua, Marianne Faithfull, Jamie Cullum, Buena Vista Social Club e Jill Soctt.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16