sicnot

Perfil

Festivais de Verão

Festivais de Verão

Festivais de Verão

Florence + The Machine atuam no fecho do festival SBSR

Florence + The Machine e a estreia da banda FFS (que junta os Franz Ferdinand e os Sparks) encerram hoje a 21.ª edição do Super Rock, que decorre no Parque das Nações, em Lisboa.

Charles Sykes

A banda liderada por Florence Welch deverá aproveitar para apresentar temas de "How Big, How Blue, How Beautiful", editado este ano, mas não deverá deixar de fora do alinhamento sucessos como "You've got the Love" e "Shake It Out".

Hoje, o público do Super Bock Super Rock (SBSR) terá ainda a oportunidade de ver ao vivo o encontro entre os escoceses Franz Ferdinand e os norte-americanos Sparks, que, apesar de terem começado a colaborar há dez anos, só este ano editaram o primeiro álbum juntos, "FFS".

Pelo palco do Meo Arena, hoje, passam ainda o brasileiro Rodrigo Amarante, elemento de Los Hermanos e Little Joy, que editou a solo, "Cavalo", em 2014, e os ingleses Crystal Fighters.

No palco Carlsberg, na Sala Tejo do Meo Arena, atuam o brasileiro Criolo e os portugueses Throes + The Shine e Djeff Afrozila.

Pelo palco da Antena3, dedicado à música portuguesa, irão passar os Thunder & Co, D'Alva e We Trust.

No palco EDP, situado na zona do Pavilhão de Portugal, atua a Banda do Mar, que junta os brasileiros Marcelo Camelo e Mallu Magalhães e o português Fred Ferreira.

Os norte-americanos Unknown Mortal Orchestra, os britânicos Palma Violets e os portugueses Márcia, os Modernos e Captain Boy são os outros nomes deste palco.

O festival SBSR celebra vinte anos num novo recinto, com uma área de 75.000 metros quadrados no Parque das Nações, que envolve o Meo Arena e o Pavilhão de Portugal, dois edifícios construídos para a Expo'98.

No total, o cartaz apresenta quase 50 concertos repartidos por quatro palcos.

Por causa do festival, o trânsito rodoviário estará condicionado na Alameda dos Oceanos, junto ao recinto, entre as 14:00 e as 05:00 de domingo.

Lusa

  • Sting levou 18 mil pessoas ao Super Bock Super Rock
    2:12

    Cultura

    Cerca de 18 mil pessoas estiveram, esta quinta-feira, na primeira noite do festival Super Bock Super Rock. Sting foi o cabeça de cartaz e recordou os maiores êxitos dos 44 anos de carreira. A repórter da SIC, Cristiana Reis, constatou as reações dos músicos dos Deolinda, Ana Bacalhau e Zé Pedro, ao concerto do cantor britânico.

  • Benjamin Clementine, da vida nas ruas aos grandes palcos
    2:50

    Cultura

    Uma das estreias mais aguardadas desta edição do Super Bock Super Rock foi Benjamin Clementine. Dono de uma voz e de uma poética únicas, o músico inglês deu-se a conhecer ao público português. O músico inglês chegou a viver nas ruas antes de ser descoberto em Paris.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32