sicnot

Perfil

Festivais de Verão

Festivais de Verão

Festivais de Verão

Festival de Vilar de Mouros confirmado para agosto com dois palcos

A edição 2016 do festival de Mouros vai decorrer entre 25 e 27 de agosto em dois palcos, um deles gratuito, com o cartaz a ser anunciado nos próximos dias, disse hoje o presidente da Câmara de Caminha.

Festival Vilar de Mouros 2014

Festival Vilar de Mouros 2014

LUSA

"É verdade que o festival vai decorrer este ano em agosto, nos dias 25, 26 e 27 de agosto. Andaram por aí muitas datas. Entendi não dizer nada. Agora estou aqui a dizer que as datas são estas. São as melhores datas, no contexto dos festivais, e do que queremos fazer", afirmou Miguel Alves à agência Lusa.

O autarca socialista explicou que o calendário "deriva dos festivais que já estão instalados no terreno", garantindo que "não fazia sentido que Vilar de Mouros se realizasse ao mesmo tempo que o festival de Paredes de Coura".

"Não são festivais concorrentes. Vilar de Mouros tem um conceito completamente distinto do que está a ser preparado para Paredes de Coura, que é direcionado para uma faixa etária mais jovem, à procura da vanguarda. Aqui [Vilar de Mouros] é mais calmo e mais 'cool', numa boa onda, a aproveitar a envolvência e a tradição, sem perder de vista o futuro", sublinhou.

Miguel Alves adiantou que o impasse na confirmação do festival ficou a dever-se "à necessidade de garantir financiamento", o que só agora aconteceu.

"A Câmara Municipal teve um papel ativo, eu diria, até, um papel principal na procura de patrocínios. Os patrocínios e o apoio financeiro estão garantidos e vai ser conhecido muito em breve, porque está associado à imagem do festival", frisou.

O presidente da autarquia adiantou que os nomes que integram o cartaz também serão divulgados, "em breve e na totalidade", para os dois palcos, um deles gratuito, a instalar no recinto inicial do mais antigo festival português, fundado em 1971, considerado o "Woodstock" à portuguesa.

"Vai ter um palco gratuito, a que todas as pessoas podem aceder", explicou, adiantando que os concertos nestes palcos vão decorrer durante a tarde, início da noite.

Já no palco principal, que implica a compra de bilhete, terão lugar os concertos noturnos. O cartaz, adiantou Miguel Alves, vai ter "boa música" e "juntar gente que já esteve em edições anteriores de Vilar de Mouros e gente que hoje toca nas rádios".

"O cartaz inclui música internacional e portuguesa. Na música internacional será uma onda muito 'cool', muito boa, que pode ser partilhada por pais e filhos", disse, adiantando que outra novidade da edição 2016 "será a forte aposta na gastronomia tradicional".

Miguel Alves adiantou que a organização da edição deste ano está a cargo da empresa 'Surprise and Expectation', criada em Caminha, um consórcio constituído pela Probability Makers e pela Metrónomo.

Em setembro de 2015, o autarca tinha anunciado que a organização do festival de Vilar de Mouros estaria a cargo de um consórcio liderado pela promotora Música no Coração, que agora deixou de integrar a parceria. Esta alteração ao protocolo inicial vai ser submetida, na quarta-feira, à apreciação do executivo municipal.

Além dos patrocínios das marcas e da bilheteira, Miguel Alves adiantou que a Câmara de Caminha vai atribuir um apoio financeiro de 40 mil euros e transferir 15 mil euros para a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros para a realizar de investimentos no recinto do festival.

Em 2007, a um mês da sua realização, o festival foi cancelado por dificuldades de entendimento entre os vários parceiros envolvidos na organização e foi retomado em 2014, a cargo da Associação dos Amigos dos Autistas (AMA). No final dessa edição, que marcou o relançamento do evento após um interregno de oito anos, aquela Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) anunciou o regresso, em 2015, nos dias 30, 31 de julho e 01 agosto, que viria a ser cancelada pela Câmara Municipal.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.