sicnot

Perfil

Festivais de Verão

Festivais de Verão

Festivais de Verão

Echo & The Bunnymen entre os onze nomes confirmados para Vilar de Mouros

A banda inglesa Echo & The Bunnymen é uma das 11 contratações confirmadas para a edição 2016 do festival de Vilar de Mouros.

De acordo com Miguel Alves,autarca de Caminha, além da banda de pós-punk formada em Liverpool em 1978, estão confirmados os Happy Mondays, Thindersticks, Milky Chance e Peter Hook (baixista dos New Order e dos Joy Division).

Entre os portugueses, a organização do mítico festival, que tem a sua ediçao deste ano marcada para os dias 25 e 27 de agosto, fechou contrato com David Fonseca, António Zambujo, Tiago Bettencour, Blasted Mechanism, Linda Martini e Legendary Tigerman.

Em abril passado, a maioria socialista na Câmara de Caminha aprovou o protocolo a celebrar com a Junta de Freguesia de Vilar de Mouros e com uma empresa sediada no concelho para a realização do evento.

Em setembro de 2015, o presidente da Câmara Municipal, Miguel Alves, tinha anunciado que a organização da edição 2016 do festival de Vilar de Mouros estaria a cargo de um consórcio liderado pela promotora Música no Coração.

A alteração ao protocolo inicial aprovada no mês passado, com os votos contra da bancada do PSD, atribuiu à Surprise & Expectation a missão de organizar o festival.

Na altura, o autarca socialista Miguel Alves adiantou à Lusa que o festival terá este ano dois palcos, a instalar no recinto inicial do mais antigo festival português, fundado em 1971, considerado o "Woodstock" à portuguesa.

Em 2007, a um mês da sua realização, o festival foi cancelado por dificuldades de entendimento entre os vários parceiros envolvidos na organização e foi retomado em 2014, a cargo da Associação dos Amigos dos Autistas (AMA).

No final dessa edição, que marcou o relançamento do evento após um interregno de oito anos, aquela Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) anunciou o regresso, em 2015, nos dias 30, 31 de julho e 01 agosto, que viria a ser cancelada pela autarquia.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.