sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter e Valcke não estão a ser investigados garante FIFA

 O diretor de comunicação da FIFA, Walter De Gregorio, garantiu hoje que Joseph Blatter e Jerome Valcke, presidente e secretário-geral do organismo, não estão implicados no caso de corrupção que está a ser investigado pelas autoridades suíças.

© Arnd Wiegmann / Reuters

Em conferência de imprensa, marcada pouco depois das autoridades suíças terem tornado público um inquérito por "branqueamento de capitais e gestão danosa" na atribuição dos mundiais de futebol de 2018, na Rússia, e 2022, no Qatar, Walter De Gregorio esclareceu que Blatter e Valcke não visados nesta investigação.

O diretor de comunicação assegurou ainda que decorrerá, como previsto, o congresso eleitoral de sexta-feira, no qual Blatter concorre a novo mandato, contra o jordano Ali bin al Hussein, também vice-presidente da FIFA.

O Ministério da Justiça e a polícia da Suíça confirmaram hoje a detenção, por acusações de corrupção, de seis dirigentes da FIFA, em Zurique, quando se encontravam num hotel na cidade.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.