sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Comité executivo da UEFA reúne hoje para abordar investigação à FIFA

O presidente da UEFA, Michel Platini, disse hoje, em Varsóvia, que o comité executivo do organismo que tutela o futebol europeu reune à tarde para abordar as suspeitas de corrupção e conspiração que recaem sobre alguns dirigentes da FIFA.

reuters

"O comité executivo da UEFA irá reunir esta tarde e amanhã [quinta-feira] terá lugar um encontro com os responsáveis das federações nacionais pelo que, para já, não há mais nada a acrescentar sobre este assunto", referiu Michel Platini.

Em causa está uma investigação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos a nove dirigentes e cinco funcionários da FIFA, acusando-os de conspiração e corrupção nos últimos 24 anos.

Entre os acusados estão dois vice-presidentes da FIFA, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Caimão, assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Os outros dirigentes indiciados são o brasileiro José María Marín, o costarriquenho Eduardo Li, o nicaraguense Júlio Rocha, Jack Warner, de Trinidad e Tobago, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Caimão.

O organismo norte-americano revelou ainda que as buscas feitas na Associação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas (CONCACAF) estão também relacionadas com este caso.

Esta acusação surge depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça confirmarem a detenção, feita hoje, por acusações de corrupção, de sete dirigentes da FIFA, em Zurique, quando se encontravam num hotel na cidade.

As autoridades helvéticas indicaram que se prevê a sua extradição para os Estados Unidos, onde as autoridades de Nova Iorque os investigam por terem, alegadamente, aceitado subornos desde o início dos anos 1990.


Lusa
  • Europol deteve grupo que vendia euros falsos na Darkweb

    Mundo

    A Europol anunciou hoje a detenção de oito pessoas suspeitas de pertencerem a um grupo criminoso considerado como um dos maiores fornecedores de euros falsos vendidos online, no âmbito de uma operação realizada pelas autoridades italianas.