sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter reeleito presidente da FIFA

O suíço Joseph Blatter foi esta sexta-feira reeleito para um quinto mandato como presidente da FIFA, até 2018, ao vencer o jordano Ali bin al Hussein, num sufrágio realizado no 65º Congresso do organismo que tutela o futebol mundial.

Blatter irá cumprir um quinto mandato à frente do organismo que gere o futebol mundial.

Blatter irá cumprir um quinto mandato à frente do organismo que gere o futebol mundial.

WALTER BIERI / Lusa

Blatter, de 79 anos, acabou por ser eleito ao final da primeira volta, depois de o seu oponente ter anunciado que não disputaria uma segunda volta.

O suíço é o oitavo presidente da FIFA, tendo sucedido, em 1998, ao brasileiro João Havelange. Na eleição de hoje, à qual chegaram a ser candidatos o português Luís Figo e o holandês Michael van Praag, 

Blatter recebeu 133 votos a favor, contra 73 de Ali bin al Hussein.

O português Luís Figo já reagiu à reeleição de Joseph Blatter. Em mensagem divulgada nas redes sociais, o ex-candidato à presidência da FIFA considerou mesmo que se Blatter "tiver um mínimo de decência, terá de resignar nos próximos dias".

"Esta votação serviu apenas para caucionar a eleição de um homem que não pode se manter à frente do futebol mundial (...). Ou o sr. Blatter sabia e foi conivente com os atos de corrupção e tráfico de influências, ou, se não sabia - como ele diz -, é porque não tem capacidade para liderar a FIFA. Não há outra forma de ver o problema", pode ler-se na nota divulgada por Figo.

Também a Federação Portuguesa de Futebol já criticou a eleição de Blatter, reafirmando que o processo "não decorreu normalmente" e que as eleições deveriam ter sido adiadas.

"Quando uma organização se desliga da realidade e se fecha sobre si própria, corre o risco de implodir", refere um comunicado da FPF, duvulgado logo a seguir à votação que levou em Zurique, Suíça, à reeleição do suíço Joseph Blatter como presidente da FIFA.
  • Tribunal de Contas apresentou reservas em relação ao SIRESP em 2006

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O Tribunal de Contas avisou em 2006 que o Estado poderia sair prejudicado nos moldes em que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) estava a ser desenhado. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias, terão sido a ausência de um concurso público, a falta de tempo para a apresentação de propostas e mexidas no caderno de encargos a motivar as reservas do tribunal.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • Bispo do Mali terá contas na Suíça com 12 M€
    1:49

    Mundo

    Há uma polémica a envolver um novo cardeal da Igreja católica. Um bispo do Mali, escolhido pelo Papa para o colégio cardinalício, está a ser relacionado com contas na Suíça onde estarão depositados milhões de euros. A cerimónia que o fará cardeal está marcada para hoje.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.