sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Platini adia reunião da UEFA para debater escândalo de corrupção

O presidente da UEFA, Michel Platini, adiou hoje 'sine die' a reunião do organismo agendada para sábado, em Berlim, na qual deveria ser analisada a crise na FIFA, desencadeada pelas suspeitas de corrupção.

© Ruben Sprich / Reuters

Em comunicado, Michel Platini garante que "segue com consternação os mais recentes desenvolvimentos nas investigações relacionadas com a corrupção na FIFA" e explica que decidiu adiar a reunião "devido à reviravolta de ontem [terça-feira]".

Na terça-feira, Joseph Blatter demitiu-se da presidência da FIFA, na sequência do escândalo de corrupção que abala o organismo máximo do futebol, e pediu a marcação de um congresso extraordinário para eleição de um sucessor.

O suíço anunciou a saída apenas quatro dias após a sua reeleição para um quinto mandato na presidência da FIFA, que decorreu em ambiente conturbado, já depois da detenção de sete dirigentes do organismo a 27 de maio, em Zurique, dois dias antes do ato eleitoral.

"Vão surgir novas oportunidades para nos reunirmos em breve e certamente as coisas estarão mais claras", refere o comunicado do presidente da UEFA.

Platini acrescenta que durante o fim de semana, em Berlim, todos vão poder concentrar-se "num dos eventos mais espetaculares da UEFA, a final da Liga dos Campeões", que oporá a Juventus ao FC Barcelona.

Ainda antes das eleições para a FIFA, Platini pediu publicamente a demissão de Blatter, devido às detenções que decorreram pouco antes do último congresso da FIFA e que lançaram um escândalo de corrupção no organismo máximo do futebol mundial.

Horas depois, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes, incluindo os detidos, e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção ao longo dos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).



Lusa
  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24