sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Rússia nega que renúncia de Blatter coloque em risco Mundial2018

A Rússia negou hoje a hipótese de a renúncia de Joseph Blatter ao cargo de presidente da FIFA colocar em risco a organização do Mundial2018 de futebol, cujo boicote foi sugerido pela Inglaterra e apoiado pela Alemanha. 

© Ruben Sprich / Reuters

"Blatter era o presidente da FIFA, mas não foi ele a tomar a decisão de atribuir à Rússia o Mundial2018. Quem tomou a decisão foi o comité executivo e não pode ser alterada por nenhum pedido de demissão", disse Vilatli Mutkó, Ministro dos Desportos da Rússia, à imprensa do seu país.

Mutkó recordou que Blatter se vai manter interinamente no cargo até dezembro, defendeu que "não existe qualquer ameaça" à realização do Mundial e assegurou que a Rússia "vai prosseguir com os preparativos de acordo com os prazos previstos".

Além disso, negou que no seio da FIFA se coloque em dúvida a votação que assegurou à Rússia a organização do Mundial, o que acontece pela primeira vez na sua história.

A presidente do Senado, Valentina Matviyenko, qualificou como uma "histeria anti-russa" os apelos ao boicote ao Mundial da Rússia, ao mesmo tempo que lamentou a decisão de Blatter renunciar depois de ter recebido um apoio massivo nas eleições da passada sexta-feira.

Na mesma linha de pensamento, o Kremlin fez saber a sua surpresa pela demissão de Blatter, cuja candidatura à reeleição a Rússia apoiou apesar das denúncias de corrupção.

"Claro que a sua renúncia foi uma surpresa. Desconhecemos quem será o novo presidente da FIFA, mas, de qualquer modo, tal não se saberá nem amanhã nem no dia seguinte", disse Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin.

O presidente russo Vladimir Putin defendeu Blatter das acusações de corrupção e acusou a União Europeia de querer impedir a reeleição do 'homem-forte' da FIFA e denunciou as pressões do Ocidente sobre a FIFA para que a Rússia não organize o seu primeiro Mundial. 

Lusa
  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.