sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter "deve abandonar imediatamente" presidência da FIFA, diz Lennart Johansson

O antigo presidente da UEFA Lennart Johansson considerou esta sexta-feira que Joseph Blatter "deve abandonar imediatamente" a presidência da FIFA, após o escândalo de corrupção que assolou a instituição.

"Saiu muito dinheiro da caixa e quem tinha controlo de tudo deveria sabê-lo. Isto não faz sentido", acrescentou Lennart Johansson, presidente da UEFA entre 1990 e 2007, aqui acompanhado por Blatter, em 2006.

"Saiu muito dinheiro da caixa e quem tinha controlo de tudo deveria sabê-lo. Isto não faz sentido", acrescentou Lennart Johansson, presidente da UEFA entre 1990 e 2007, aqui acompanhado por Blatter, em 2006.

BELA SZANDELSZKY / AP

"Creio que a investigação tem deixado claro que se descobrirá o que foi feito e quem fez. O secretário-geral estava a movimentar milhões de dólares e Blatter diz que não sabia. Obviamente ele sabe tudo o que se passa", afirmou, em declarações à televisão alemã ZDF.

"Saiu muito dinheiro da caixa e quem tinha controlo de tudo deveria sabê-lo. Isto não faz sentido", acrescentou Lennart Johansson, presidente da UEFA entre 1990 e 2007.

Joseph Blatter anunciou na terça-feira a sua renúncia à presidência da organização de cúpula do futebol mundial, depois de ter sido reeleito a 29 de maio para um quinto mandato como presidente da FIFA, até 2018, ao vencer o jordano Ali bin al Hussein, num sufrágio realizado no 65.º Congresso do organismo que tutela o futebol mundial.

A reeleição de Blatter aconteceu, no entanto, poucos dias depois de o Departamento de Justiça dos Estados Unidos ter indiciado nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

De acordo com a imprensa norte-americana, Blatter está mesmo no centro da investigação de corrupção levada a cabo pelo FBI.

Entre os já acusados estão dois vice-presidentes da FIFA, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Caimão e que é também presidente da CONCACAF (Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas), assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Dos restantes dirigentes indiciados fazem parte o brasileiro José María Marín, membro do comité da FIFA para os Jogos Olímpicos Rio2016, o costarriquenho Eduardo Li, Jack Warner, de Trinidad e Tobago, o nicaraguense Júlio Rocha, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Caimão.

A FIFA suspendeu provisoriamente 12 pessoas de toda a atividade ligada ao futebol: os nove dirigentes ou ex-dirigentes indiciados e ainda Daryll Warner, filho de Jack Warner, Aaron Davidson e Chuck Blazer, antigo homem forte do futebol dos Estados Unidos, ex-membro do Comité Executivo da FIFA e informador da procuradoria norte-americana.

A acusação surge depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido Webb, Li, Rocha, Takkas, Figueredo, Esquivel e Marin na quarta-feira, num hotel de Zurique, a dois dias das eleições para a presidência da FIFA.

Simultaneamente, as autoridades suíças abriram uma investigação à atribuição dos Mundiais de 2018 e 2022 à Rússia e ao Qatar.

No dia em que eclodiu o escândalo, a FIFA veio assegurar que Joseph Blatter e o secretário-geral do organismo, Jerome Valcke, não estão implicados no caso de corrupção.

Já esta semana, o New York Times noticiou que Jérôme Valcke fez transferências bancárias no valor de 10 milhões de dólares para contas controladas por Jack Warner, um dos implicados no escândalo de corrupção do organismo.

Citando autoridades federais ligadas ao processo que corre nos Estados Unidos, o jornal diz que estas transferências efetuadas em 2008 são um elemento-chave na investigação sobre corrupção que abala o organismo máximo do futebol, liderado pelo suíço Joseph Blatter, de quem Valcke é o 'braço direito'.
Lusa
  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.