sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter diz que não se demitiu

O suíço Joseph Blatter disse que não se demitiu da presidência da FIFA, mas antes coloca o lugar à disposição dos membros do organismo que rege o futebol mundial, atingido por um escândalo de corrupção.

Reuters

"Não me demiti, coloco antes o meu lugar à disposição durante um congresso extraordinário", disse Blatter ao jornal suíço Blick, durante uma visita ao local onde será construído o futuro museu da FIFA, em Zurique.

A FIFA confirmou mais tarde que as palavras do presidente do organismo, assinalando que Blatter utilizou a mesma expressão quando anunciou a 02 de junho que iria "colocar o lugar à disposição durante um congresso eleitoral extraordinário".

Quatro dias antes, a 27 de maio, o Ministério Público suíço anunciou a abertura de um processo contra desconhecidos por suspeitas de fraude e lavagem de dinheiro no âmbito da atribuição das organizações dos Mundiais de 2018, à Rússia, e 2022, ao Qatar, enquanto a polícia helvética detinha sete membros da FIFA, num hotel de Zurique.

Também a 27 de maio, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Dois dias mais tarde, a 29 de maio, Blatter foi reeleito para um quinto mandato consecutivo à frente da FIFA, mas acabou por se demitir, na sequência do escândalo de corrupção que atingiu o organismo que rege o futebol mundial.

O congresso eleitoral extraordinário a que Blatter se referiu deverá realizar-se entre dezembro deste ano e fevereiro de 2016, mas a data definitiva só será conhecida após uma reunião extraordinária do Comité Executivo, marcada para 20 de julho.


Lusa
  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.