sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter diz que Platini o avisou que seria preso se não abandonasse a FIFA

Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, revelou que Michel Platini, líder da UEFA, o alertou que seria detido caso não abandonasse o cargo no organismo que tutela o futebol mundial.

Tsafrir Abayov

Numa entrevista ao jornal holandês Volkskrant, publicada hoje, o ainda líder da FIFA contou que Platini alertou o seu irmão, Peter Blatter, no último congresso eleitoral, em maio, que se Joseph Blatter se recandidatasse ao cargo seria detido pelas autoridades.

"Durante um almoço, Platini sentou-se ao lado do meu irmão e disse-lhe: 'diz ao Sepp para desistir da candidatura, ou será preso'", revelou o presidente demissionário.

Blatter foi reeleito em maio para um quinto mandato, mas acabou por se demitir dias depois, na sequência de um escândalo de corrupção. Entretanto, o suíço comprometeu-se a deixar o cargo após as eleições, a 26 de fevereiro.

Contatada pela AFP, fonte próxima de Platini considerou que estas revelações de Blatter são "alegações ridículas".

"Esta completa 'fabricação' é a última de uma série de tentativas para distrair toda a gente, desde que os problemas começaram a afetar a FIFA. São alegações ridículas, que não merecem resposta", disse a mesma fonte à agência francesa.

Na mesma entrevista ao Volkskrant, Blatter acrescentou que se sentiu traído por Platini, com quem manteve uma relação "quase de pai para filho".

"Trabalhou comigo durante quatro anos na FIFA, depois do Mundial de 1998, em França. Em 2007, assumiu a presidência da UEFA com a minha ajuda. Platini mudou e só ele pode saber o que se passa na sua cabeça", disse o suíço.

A FIFA vive 'mergulhada' num escândalo de corrupção, divulgado após uma investigação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, segundo o qual vários dirigentes e ex-dirigentes do organismo estarão envolvidos em atos de conspiração e corrupção nos últimos 24 anos, cujos subornos poderão ascender a 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Michel Platini, e o empresário sul-coreano Chung Mong-joon, proprietário do grupo Hyundai, já manifestaram a intenção de se candidatar à presidência da FIFA.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.