sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Associação Europeia de Clubes preocupada com situação na FIFA

A Associação Europeia de Clubes (ECA) manifestou esta sextafeira a sua preocupação pela situação na FIFA e reclama para si um "papel central" no "processo de reformas" da organização, considerando que "os clubes devem ser parte da solução".

O comunicado da ECA surge após as recentes suspensões do presidente da FIFA, Joseph Blatter, do vice-presidente Michel Platini (ambos na imagem) (que também é presidente da UEFA) e do secretário-geral, Jerôme Valcke. (Arquivo)

O comunicado da ECA surge após as recentes suspensões do presidente da FIFA, Joseph Blatter, do vice-presidente Michel Platini (ambos na imagem) (que também é presidente da UEFA) e do secretário-geral, Jerôme Valcke. (Arquivo)

© Ruben Sprich / Reuters

O comunicado da ECA surge após as recentes suspensões do presidente da FIFA, Joseph Blatter, do vice-presidente Michel Platini (que também é presidente da UEFA) e do secretário-geral, Jerôme Valcke.

"Os clubes de futebol são um poder central no futebol profissional e o futuro governo deve incluir o seu compromisso ativo e liderança para que seja efetivo e estável, os clubes têm de ser parte da solução", refere o comunicado da ECA.

O organismo presidido pelo alemão Karl-Heinz Rummenigge fez um apelo "para todos os que amam o futebol" para que "abram portas a reformas reais e à transparência".

"As mudanças recentes no modelo de governo da UEFA demonstram que os clubes estão a ter um papel mais ativo no governo do futebol e apoiam a sua participação em qualquer reforma futura da FIFA", refere ainda a ECA.

A ECA e a UEFA renovaram em março o Memorando de Entendimento, prolongando-o até 2022. O acordo prevê que a Associação de Clubes tenha dois delegados no Comité Executivo da UEFA, de início sem direito de voto, o que deverá ser alterado após a modificação de estatutos da UFA, no seu próximo congresso.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.