sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Platini recorre da suspensão de 90 dias

O presidente da UEFA, Michel Platini, interpôs hoje recurso da suspensão de 90 dias decretada pela Comissão de Ética da Federação Internacional de Futebol (FIFA), informou a AFP citando fontes associadas ao dirigente francês.

Sang Tan

Na quinta-feira, Platini, candidato à presidência da FIFA, negou todas as alegações que motivaram a sua suspensão de qualquer atividade ligada ao futebol, decorrente da investigação sobre corrupção no organismo.

"Rejeito integralmente as alegações que me são imputadas e que se baseiam em simples aparências jurídicas, que são, elas próprias, de uma imprecisão surpreendente", escreveu Platini, sobre quem recai a suspeita de ter recebido um pagamento irregular da FIFA de 1,8 milhões de euros.

Platini disse sentir "uma revolta profunda, mais do que um sentimento de injustiça ou de vingança", por aquilo que qualifica como "uma farsa" e recusa acreditar que se trata de "uma decisão política para manchar uma vida dedicada ao futebol ou para destruir a candidatura à presidência da FIFA".

Além de Platini, a Comissão de Ética da FIFA suspendeu por igual período o suíço Joseph Blatter, presidente demissionário do organismo, que também recorreu da decisão, e o francês Jérôme Valcke, secretário-geral.

O sul-coreano Chung Mong-Joon, que também já assumiu a candidatura à sucessão de Blatter nas eleições marcadas para 26 de janeiro de 2016, foi suspenso por seis anos e multado em 100.000 francos suíços (perto de 91.000 euros), tendo anunciado também a intenção de recorrer.

Se os recursos forem rejeitados, os visados podem recorrer ainda ao Tribunal Arbitral do Desporto, sediado em Lausana, na Suíça.

A Comissão Executiva da FIFA, liderada interinamente pelo camaronês Issa Hayatou, já marcou uma reunião extraordinária para 20 de outubro com o objetivo de analisar a crise que abala a entidade.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • "Precisamos de uma melhor zona Euro"
    0:30