sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

FIFA mantém eleições para a presidência para 26 de fevereiro

O Comité Executivo da FIFA, reunido hoje em Zurique, na Suíça, decidiu manter a data de 26 de fevereiro para a eleição do novo presidente do organismo, rendendo o suíço Joseph Blatter.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Arnd Wiegmann / Reuters

Na conta oficial da FIFA no Twitter, é revelado que será realizado um congresso extraordinario eletivo a 26 de fevereiro de 2016 para que possa ser votado um novo presidente.

A manutenção de data implica que os potenciais candidatos à presidência da FIFA têm até à próxima segunda-feira para formalizarem a candidatura à sucessão de Blatter, que ocupa o cargo desde 1998.

Manifestaram para já intenção de concorrer à presidência da FIFA o francês Michel Platini, presidente da UEFA e que se encontra suspenso pela FIFA pelo prazo de 90 dias, a mesma suspensão aplicada a Blatter, num caso o francês é acusado de ter recebido ilegalmente cerca de dois milhões de euros.

Além de Platini, o suíço Ramon Vega, antigo jogador do Tottenham e da seleção suíça, o sul-coreano Chung Mong-Joon, que se encontra suspenso por seis anos, o príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, e o ex-futebolista brasileiro Zico manifestaram intenção de concorrer ao considerado lugar mais poderoso do futebol internacional.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.