sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Jérôme Champagne é o quarto candidato à presidência da FIFA

O francês Jérôme Champagne, antigo secretário-geral adjunto da FIFA, é o quarto candidato à presidência do organismo que tutela o futebol mundial e entregou as cinco cartas de apoio necessárias, anunciou hoje à AFP.

© Arnd Wiegmann / Reuters

Com a FIFA mergulhada num escândalo de corrupção desde maio, Champagne é o quarto candidato às eleições de 26 de fevereiro, que irão determinar o sucessor do suíço Joseph Blatter, que de demitiu pouco depois de, em maio, ter sido reeleito para um quinto mandato.

Jérôme Champagne, que trabalhou na FIFA entre 1999 e 2010, considerou, em entrevista à AFP, que o facto de ter integrado o organismo é uma vantagem.

"Para a realização de reformas é preciso alguém que conheça a instituição por dentro, como é o meu caso" disse, considerando que a FIFA precisa de grandes mudanças.

"A reforma por si só não é suficiente, por isso não vou propor reformas, mas sim compromissos", disse, enumerando as suas prioridades: "adaptar a FIFA às realidades atuais, com elevados padrões de transparência e ética, e modernizar a administração e investir no futebol feminino".

Jérôme Champagne, de 57 anos, colaborou como jornalista freelancer com a revista France Football, e trabalhou na comissão organizadora do Mundial de 1998, realizado em França, antes de entrar na FIFA.

No organismo que gere o futebol mundial foi assessor do presidente Joseph Blatter, secretário-geral adjunto, vice-presidente e diretor de relações internacionais.

O presidente da UEFA, Michel Platini, foi dos primeiros e entrar na corrida à sucessão de Blatter, mas a suspensão, por 90 dias imposta pelo Comité de Ética da FIFA, pode complicar a sua candidatura.

Os outros candidatos à presidência da FIFA são o príncipe jordano Ali bin Al Hussein, que se apresentou a votos no último ato eleitoral, mas acabou por abandonar a corrida depois de perder na primeira volta para Blatter, e o antigo futebolista e capitão de Trindade e Tobago David Nakhid.

Além de Michel Platini, o Comité de Ética suspendeu provisoriamente, também por 90 dias e por alegada implicação em atos de corrupção, o presidente da FIFA, Joseph Blatter, e o secretário-geral da FIFA, o francês Jérôme Valcke.

Também suspenso, mas por um período de seis anos, foi o sul-coreano Chung Mong-Joon, antigo vice-presidente da FIFA, que também tinha manifestado intenção de se candidatar à presidência.

A FIFA foi abalada por um escândalo de corrupção em maio, a dois dias da reeleição de Blatter, num processo aberto pela justiça dos Estados Unidos e que levou a acusações a 14 dirigentes e ex-dirigentes.

No início de junho, Blatter apresentou a demissão, abrindo o caminho para novas eleições, marcadas para 26 de fevereiro e para as quais as candidaturas devem ser formalizadas até 26 d3 outubro.

Lusa

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".