sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Presidente da Confederação Asiática é o sexto candidato à presidência da FIFA

O presidente da federação asiática de futebol, o xeque Salman bin Ebrahim al Khalifa, formalizou a sua candidatura à presidência da FIFA, cujas eleições estão agendadas para 26 de fevereiro, revelou hoje a agência noticiosa do Bahrein.

Sheik Salman bin Khalifa al Ebrahim

Sheik Salman bin Khalifa al Ebrahim

Reuters

O membro da família real do Bahrein, de 49 anos, apresentou a candidatura no domingo, um dia antes do final do prazo, embora nem a FIFA nem a Confederação Asiática o tenham confirmado, indicando que haverá um comunicado hoje, no final do prazo.

A candidatura de al Khalifa poderá ganhar relevo, tendo em conta que a Confederação Asiática é a segunda maior e deixaria assim de lado um apoio a Michel Platini, presidente da UEFA que é candidato, mas está suspenso pelo Comité de Ética da FIFA.

Platini, tal como o presidente demissionário da FIFA, o suíço Joseph Blatter, está suspenso por 90 dias, depois de ter vindo a público que recebeu 1,8 milhões de euros da FIFA, naquilo a que disse ter sido um "acordo de cavalheiros" com o presidente atual.

Além de al-Khalifa, concorrem igualmente à presidência da FIFA o príncipe jordano Ali bin al Hussein, o francês Jerôme Champagne, o ex-futebolista e antigo capitão da seleção de Trinidad e Tobago David Nakhid, o sul-africano Tokyo Sexwale e Michel Platini.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.