sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

José Maria Marín aceita extradição para EUA no processo de corrupção FIFA

O brasileiro José Maria Marín, antigo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), aceitou a sua extradição para os Estados Unidos, revelou hoje o Ministério Federal da Justiça da Suíça.

José Maria Marín, antigo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)

José Maria Marín, antigo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)

© Jorge Adorno / Reuters

José Maria Marín encontra-se detido na Suíça desde o final de maio, no processo de corrupção que abalou a FIFA pouco antes das eleições do organismo máximo do futebol mundial.

Com este consentimento, o governo suíço já procedeu à autorização da extradição mediante um processo simplificado, mas indicou que não revelará qual a data de saída do ex-dirigente.

O brasileiro, de 83 anos, faz parte do grupo dirigentes e ex-dirigentes da FIFA detidos em Zurique e suspeitos de terem aceitado luvas de mais de 100 milhões de dólares (mais de 90 milhões de euros).

O pedido formal de extradição, transmitido à Suíça pela justiça norte-americana a 01 de julho, é fundamentado com um mandado de prisão emitido a 20 de maio pelo distrito de Nova Iorque.

Marín é suspeito de ter aceitado, juntamente com outros dirigentes, dinheiro para favorecer a atribuição dos direitos de 'marketing' das Taça América de 2015, 2016, 2019 e 2023, e da Taça do Brasil de 2013 e 2022.

Inicialmente, o ex-presidente da CBF opôs-se à extradição, mas acabou por consenti-la na terça-feira.

Dos detidos em maio, Jeffrey Webb, originário das Ilhas Caimão e antigo vice-presidente da FIFA, aceitou a sua extradição para os Estados Unidos em julho.

Os outros responsáveis da FIFA detidos mantêm a recusa em serem extraditados, indicando que irão recorrer para o tribunal penal Federal, o que já aconteceu com Eugenio Figueredo e Rafal Esquivel.

A 15 de outubro, a justiça suíça autorizara a extradição para os Estados Unidos do nicaraguense Júlio Rocha, também um dos sete dirigentes da FIFA detidos no final de maio em Zurique.

A Nicarágua também tinha pedido a extradição do dirigente, detido desde 27 de maio, o que foi aceite pela Suíça, mas apenas se os Estados Unidos não evocassem prioridade, o que acabou por acontecer.

A partir de setembro, as autoridades helvéticas deram o seu aval à extradição a mais quatro dirigentes: Rafael Esquivel, antigo presidente da Federação venezuelana e membro executivo da Confederação sul-americana (CONMEBOL), o uruguaio Eugenio Figueredo, antigo vice-presidente da CONMEBOL e vice-presidente da FIFA, Eduardo Li, antigo presidente da Federação da Costa Rica, e o britânico Costas Takkas, antigo adjunto do presidente da Confederação da América do Norte, Central e Caraíbas.

RPM // VR

Lusa/fim

NewsSubjects:- Desporto - Futebol - corrupção

20151028T145838

  • Romário defende a prisão de Joseph Blatter
    0:35

    Corrupção na FIFA

    José Maria Marín, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, foi um dos detidos no escândalo de corrupção que abala a FIFA. A Confederação já retirou o nome do antigo líder da fachada da sede no Rio de Janeiro. Romário é um dos maiores críticos de Marín. O agora senador e antiga estrela do futebol brasileiro elogia a atuação das autoridades suíças e defende a prisão de Joseph Blatter.

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.