sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter diz que caso do suborno dos 100 milhões "está encerrado"

O presidente demissionário da FIFA, a cumprir 90 dias de suspensão, disse hoje que "está encerrado" o caso das suspeitas de envolvimento num suborno de 100 milhões de dólares a membros do organismo que rege o futebol mundial.

Michael Probst

Segundo uma investigação da BBC, divulgada no domingo, a empresa de marketing desportivo ISL terá pagado um total de 100 milhões de dólares a membros da FIFA, incluindo ao ex-presidente João Havelange e ao antigo executivo Ricardo Teixeira, tendo obtido em troca os direitos televisivos e de 'marketing' durante os anos 1990.

"O caso está encerrado. Foi resolvido em tribunal e pelo Comité de Ética", disse o suíço Joseph Blatter, numa entrevista ao diário japonês Nikkei.

Na sua investigação, a BBC revelou ter tido acesso a uma carta obtida pelo FBI que levanta dúvidas relativamente ao desconhecimento de Blatter sobre o caso.

A carta refere-se aos pagamentos do ISL e alegadamente foi escrita por Havelange, que nota que Blatter tinha "pleno conhecimento de todas as atividades" e que era "sempre informado" delas.

Na entrevista ao Nikkei, Blatter criticou as autoridades suíças por não o terem informado antecipadamente das primeiras detenções de responsáveis da FIFA, em maio, que desencadearam o escândalo que assola o organismo a que ainda preside.

Blatter, que disse esperar regressar às suas funções executivas "nas próximas semanas", admitiu que foi confrontado com "um tsunami" quando teve conhecimento das detenções de maio.

"As autoridades suíças podiam ter-me informado que ia acontecer um caso desta dimensão. Fiquei chocado, com o que aconteceu e o que continua a acontecer em várias confederações", admitiu Blatter.

O dirigente suíço frisou, no entanto, que não pode ser responsabilizado moralmente por ações de membros do comité executivo, quando não tem o poder de os admitir ou demitir.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.