sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter felicita "do fundo do coração" o seu sucessor na presidência da FIFA

O presidente cessante da FIFA, Joseph Blatter, felicitou hoje "do fundo do coração" o seu sucessor no cargo, o ítalo-suíço Gianni Infantino, eleito esta tarde em Congresso Extraordinário da organização.

Joseph Blatter.

Joseph Blatter.

Matthias Schrader

"Felicito sinceramente e do fundo do coração Gianni Infantino pela sua eleição", declarou Blatter, em comunicado.

Gianni Infantino foi hoje eleito presidente da FIFA, organismo que tutela o futebol mundial, ao vencer as eleições à segunda volta, sucedendo ao suíço Joseph Blatter.

O secretário-geral da UEFA recebeu, na segunda volta, 115 votos, ficando à frente do xeque Salman bin Ebrahim al-Khalifa (88) e do príncipe jordano Ali bin al Hussein (quatro), enquanto o francês Jérôme Champagne não recolheu qualquer voto. Antes, já o sul-africano Tokyo Sexwale tinha desistido.

Infantino é o nono presidente da história da FIFA, sucedendo a Blatter, que, após 17 anos no cargo, deixou a liderança na sequência de um escândalo de corrupção, acabando mesmo por ser suspenso por seis anos.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.