sicnot

Perfil

Queda do BES

Administradores da PT foram "enganados e defraudados" pelo BES

Administradores da PT foram "enganados e defraudados" pelo BES

O ex-administrador financeiro da Portugal Telecom (PT) Luís Pacheco de Melo disse hoje que a empresa e os seus altos quadros foram "enganados e defraudados" pelo BES e os seus responsáveis.

"A PT, eu, o seu presidente e os trabalhadores, fomos enganados e defraudados pelo BES e pelos seus mais altos responsáveis", vincou Pacheco de Melo na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES).

E acrescentou: "Foram 13 anos de confiança. Eram os nossos parceiros financeiros, era com eles que os nossos presidentes privavam quase diariamente".

Pacheco de Melo realçou que "nunca" foi intenção da PT "transferir para a [operadora] Oi um ativo que depois se viria a revelar tóxico", no caso os títulos de dívida da Rioforte, do GES.

"Não estávamos com informação nenhuma que nos levasse a concluir em que estado estava aquela empresa, a Rioforte", advogou o antigo administrador financeiro e ainda administrador da PT SGPS.

Luís Pacheco de Melo falava na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES, onde começou a ser ouvido pouco depois das 16:00, tendo abdicado de prestar uma declaração inicial.

O responsável é o terceiro elemento ligado à PT a ser escutado pelos deputados, depois dos ex-presidentes Zeinal Bava (na passada quinta-feira) e Henrique Granadeiro (na quarta-feira).

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e tinha inicialmente um prazo total de 120 dias, até 19 de fevereiro, mas foi prolongado por mais 60 dias.

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".


Lusa
  • Associação dos lesados do BES diz que auditoria dá razão aos que estão a perder dinheiro
    0:47

    Queda do BES

    A Associação Indignados e Enganados do Papel Comercial, que representa os lesados do Banco Espírito Santo (BES), considera que a auditoria à instituição vem dar razão a quem reclama o dinheiro de volta. O relatório reforça a ideia de que há uma distinção entre os pequenos aforradores e os investidores de risco, realça Mário Gomes, membro da associação Algo que a associação defende desde o colapso do banco.

  • Auditoria aponta quatro atos de gestão ruinosa à administração de Salgado
    1:57

    Queda do BES

    O Banco de Portugal já enviou ao Ministério Público os resultados da auditoria forense ao BES. O documento dá conta de 21 desobediências de Ricardo Salgado ao supervisor em apenas sete meses e de pelo menos quatro práticas de gestão ruinosa. É ainda dito que foram feitos empréstimos a administradores do BES e a empresas do Grupo Espírito Santo às escondidas do Banco de Portugal, que já tinha proibido qualquer crédito.

  • Ricardo Salgado desobedeceu ao Banco de Portugal
    1:56

    Economia

    A auditoria forense ao BES encontrou indícios de gestão ruinosa praticada pela administração do Banco Espírito e Santo e do Espírito Santo Financial Group. O Jornal de Negócios avançou ontem à noite que Ricardo Salgado desobedeceu ao Banco de Portugal. Detalhes que constam do sumário executivo que o supervisor enviou à comissão parlamentar de inquérito que investiga a gestão do BES e do GES.

  • Granadeiro acusa Morais Pires de ocultar informação sobre GES
    2:27

    Economia

    O ex-presidente da PT SGPS Henrique Granadeiro acusa o antigo administrador financeiro do BES, Morais Pires, de ter ocultado informação sobre o Grupo Espírito Santo (GES), que levou a Portugal Telecom (PT) a perder quase 900 milhões de euros com a Rioforte. Granadeiro assumiu parte da culpa pelo investimento ruinoso, mas sugere que o então presidente executivo Zeinal Bava não só sabia, como ordenou parte da operação.

  • Zeinal Bava insiste que não sabia do investimento ruinoso da PT na RioForte
    2:27

    Economia

    Zeinal Bava insiste que não sabia do investimento ruinoso da PT na RioForte, empresa do Grupo Espírito Santo. Ouvido na Comissão de Inquérito ao caso BES, admitiu, no entanto, que quando era presidente da Portugal Telecom recebeu cartas de conforto do banco, que garantiam a cobertura de eventuais falhas de pagamento em negócios do grupo.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.