sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Salgado pede direito ao contraditório e defesa com "igualdade de armas"

O ex-presidente do Banco Espírito Santo pediu hoje "um efetivo direito ao contraditório" e "uma defesa com a mínima igualdade de armas". É a resposta de Ricardo Salgado à divulgação das conclusões da auditoria forense pedida pelo Banco de Portugal.

MIGUEL A. LOPES

Num comunicado enviado às redações, o ex-presidente executivo do BES refere que "manterá o comportamento de não interferir ou condicionar o trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito ou quaisquer procedimentos de averiguação que estejam em curso", esperando que um dia lhe venha a ser dado "um efetivo direito ao contraditório e a uma defesa com a mínima igualdade de armas". 

Ricardo Salgado acrescenta que, quando assim for, estará certo de que "se chegará, finalmente, à descoberta da verdade sobre as razões que levaram ao desaparecimento do BES, não baseadas em pré-juízos ou conclusões pré-determinadas".

A Procuradoria-Geral da Republica (PGR) disse hoje à Lusa ter recebido os resultados da auditoria forense ao BES, adiantando que a mesma já foi enviada ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

"O Ministério Público tem recebido das entidades reguladoras documentação e informações várias que são objeto de análise com vista à adoção, no âmbito das suas competências, dos procedimentos legalmente previstos. Todos os casos em que existe queixa ou indiciação de factos suscetíveis de integrar crimes são objeto de investigação. Os inquéritos respeitantes ao universo Espírito Santo encontram-se em Segredo de Justiça", explica a PGR numa nota enviada à agência Lusa, em resposta a um pedido de esclarecimento.

Uma auditoria pedida pelo Banco de Portugal à consultora Delloite conclui que a administração do BES liderada por Ricardo Salgado "desobedeceu ao Banco de Portugal 21 vezes, entre dezembro de 2013 e julho de 2014", e "praticou atos dolosos de gestão ruinosa".

Com Lusa
  • Auditoria aponta quatro atos de gestão ruinosa à administração de Salgado
    1:57

    Queda do BES

    O Banco de Portugal já enviou ao Ministério Público os resultados da auditoria forense ao BES. O documento dá conta de 21 desobediências de Ricardo Salgado ao supervisor em apenas sete meses e de pelo menos quatro práticas de gestão ruinosa. É ainda dito que foram feitos empréstimos a administradores do BES e a empresas do Grupo Espírito Santo às escondidas do Banco de Portugal, que já tinha proibido qualquer crédito.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.