sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Reformas dos ex-administradores do BES ficam no "banco mau"

O Banco de Portugal decidiu que as pensões de reforma dos ex-administradores do Banco Espírito Santo (BES), entre os quais Ricardo Salgado, são da responsabilidade do 'bad bank' (banco mau) resultante da intervenção do supervisor na entidade. 

(Reuters/Arquivo)

A decisão foi tomada pelo Conselho de Administração do Banco de Portugal a 11 de fevereiro e implica uma adequação dos registos contabilísticos quer do Novo Banco, quer do BES, datados de 31 de dezembro de 2014.

Hoje, no âmbito da apresentação das contas do Novo Banco entre agosto (data da sua criação e dezembro), a questão sobre quem tem que pagar as reformas dos antigos gestores do BES foi levantada.

Isto, depois de o presidente do Novo Banco ter revelado que os custos com pessoal da entidade rondaram os 191 milhões de euros, um valor onde se incluem 22 milhões de euros com a reforma antecipada de 53 colaboradores.

Questionado sobre se as verbas referentes às reformas dos ex-gestores do BES estavam contempladas neste montante, Stock da Cunha disse que não: "Tanto quanto sei, essa situação diz respeito ao BES, já que é anterior a 03 de agosto".

Contudo, dentro dos 22 milhões de euros já estavam contemplados os montantes devidos pelas reformas dos ex-administradores, conforme especificou à agência Lusa fonte oficial do Novo Banco, realçando, porém, que esta é uma situação que vai ser revertida.

Ou seja, apesar de constarem nas responsabilidades do Novo Banco, na contabilidade referente a dezembro de 2014, como o Banco de Portugal decidiu a 11 de fevereiro passar essas responsabilidades para a alçada do BES (banco mau), ambas as instituições vão ter que adequar os seus registos contabilísticos a esta deliberação do supervisor.

"O impacto da decisão de 11 de fevereiro de 2015 do Banco de Portugal não está ainda refletido no balanço do Grupo Novo Banco encontrando-se em curso os trabalhos para a sua adequada execução", lê-se no comunicado de imprensa do Novo Banco, acrescentando que "a esta data, o balanço [do Novo Banco] inclui as responsabilidades para com pensões e respetivos ativos associados relativos à totalidade dos planos de pensões".

Em agosto, o Banco de Portugal decidiu aplicar uma medida de resolução no então Banco Espírito Santo (BES), dividindo a entidade em duas.

No chamado banco mau ('bad bank'), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No 'banco bom', o banco de transição que foi chamado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.


Lusa
  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC