sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Vítor Gaspar diz que só soube das dificuldades financeiras do GES no final de 2013

 O ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar, enviou hoje as suas respostas por escrito à comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES, assegurando que só tomou conhecimento das dificuldades financeiras do Grupo Espírito Santo (GES) no final de 2013.

© Hugo Correia / Reuters

"Ouvi falar de dificuldades financeiras idiossincráticas no GES no final de 2013. Em termos concretos, soube, mais tarde, das implicações da exposição do BES [Banco Espírito Santo] ao GES pela imprensa especializada internacional", lê-se no documento a que a agência Lusa teve acesso.

Sobre a exposição do BES ao GES, Vítor Gaspar disse que era "clara na estrutura do próprio grupo".

E afirmou: "O BES (e o GES) foram afetados pela interrupção do financiamento privado internacional à economia portuguesa que ocorreu na primavera de 2010".

Questionado sobre a ausência de referências aos problemas do grupo BES/GES "nos sucessivos documentos que foram sendo divulgados sobre o sistema financeiro português" entre 2011 e a saída do Governo de Vítor Gaspar, o responsável preferiu não responder.

"Não tenho nada a dizer sobre esta questão", escreveu o ex-governante.

Vítor Gaspar pediu para sair do executivo liderado por Pedro Passos Coelho no verão de 2013, dando lugar à atual ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que à data era secretária de Estado do Tesouro.



LUSA
  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão