sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Associação Portuguesa de Bancos prefere recurso à linha de recapitalização pública no caso BES

A Associação Portuguesa de Bancos (APB) manifestou ao Governo e ao Banco de Portugal, na véspera da aplicação da medida de resolução ao BES, a sua preferência pelo uso da linha de recapitalização pública, revelou hoje o seu presidente.

(Reuters/Arquivo)

Fernando Faria de Oliveira, líder da entidade que representa a banca portuguesa, disse durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES que, face às informações que se iam acumulando sobre a situação de fragilidade do Banco Espírito Santo (BES), solicitou uma reunião ao governador do Banco de Portugal, Carlos Costa.

Esse encontro decorreu a 02 de agosto, um sábado, pelas 19:30, e nesse mesmo dia, pelas 22:00, o presidente da APB, acompanhado também dos presidentes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), José de Matos, do Banco Comercial Português (BCP), Nuno Amado, e do Banco BPI, Fernando Ulrich, tiveram outra reunião com a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

"A reunião com o governador foi por mim pedida, devido às preocupações que tínhamos quanto a eventuais impactos sistémicos do BES sobre o setor", explicou Faria de Oliveira, sublinhando que a APB "não tinha nenhuma informação adicional àquela que era pública", quer através da comunicação social, quer através dos comunicados do supervisor bancário.

Faria de Oliveira disse que, no encontro com Carlos Costa, foi transmitida a informação que até às 24:00 de 03 de agosto (domingo) tinha que ser tomada uma decisão sobre a intervenção do BES.

"Havia várias soluções possíveis", frisou Faria de Oliveira, apontando para a liquidação, a nacionalização, o aumento de capital através de privados ou através de capitais públicos, além da medida de resolução.

Depois de terem sido informados pelo governador de que a opção ia recair sobre a aplicação da medida de resolução, os responsáveis da banca mostraram a sua preferência por outra solução, admitiu Faria de Oliveira.

"Os representantes questionaram as razões para a aplicação de uma resolução sem precedentes, e não o recurso à linha de recapitalização pública, que foi usada com sucesso no BCP, no BPI e no Banif", relatou.

"Foi-nos dito que o recurso à recapitalização tinha que cumprir alguns pontos. E que não era uma decisão apenas do Banco de Portugal", acrescentou o líder da APB.

Face a esta posição do supervisor bancário, os representantes presentes no encontro com o governador solicitaram uma reunião à ministra das Finanças, que decorreu algumas horas mais tarde, na qual reafirmaram a sua preferência pela utilização da linha de recapitalização pública.

Faria de Oliveira lembrou que o modelo de resolução "não é isento" de riscos, já que pressupõe que "os custos de resolução de um banco são suportados pelos outros bancos, numa lógica de mutualização".

Segundo o responsável, "a lógica não é tanto salvar um banco que falhou", mas salvaguardar a estabilidade do sistema financeiro.

Quanto à resolução, "embora pague o justo pelo pecador, distribuindo os custos da resolução de um banco pelos acionistas dos outros bancos", é uma medida que, no entender de Faria de Oliveira, poderia ser aplicada com maior segurança caso o Fundo de Resolução já estivesse dotado de verbas suficientes para acomodar a intervenção num banco com a dimensão do BES.

"Dois bancos asseguram mais de 50% do financiamento do Fundo de Resolução e quatro bancos 70%", assinalou.

"Transmitimos [à ministra das Finanças] que íamos ser pioneiros na resolução de um banco com dimensão. Foi-nos comunicado que a decisão de não utilização da linha de recapitalização tinha sido tomada devido ao novo quadro legal vigente e porque o BES não a havia solicitado", informou.

Mais, esse recurso aos capitais públicos não permitiam a separação imediata entre 'good bank' (banco bom) e 'bad bank' (banco mau).

"Não foi dada à APB qualquer possibilidade de influenciar a decisão. Foi-nos apresentada como praticamente um dado adquirido. As nossas objeções centraram-se na sua aplicação sem precedentes a um banco desta dimensão, bem como na insuficiência dos montantes no Fundo de Resolução", vincou Faria de Oliveira.

E concluiu: "Estando a decisão tomada, esta tem que correr bem".


Lusa
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC