sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Ulrich diz que avisou Vítor Gaspar em 2013 sobre problemas no BES e no GES

O presidente do conselho de administração do BPI, Fernando Ulrich, disse hoje que demonstrou preocupações com o antigo ministro das Finanças Vítor Gaspar de problemas no BES e no Grupo Espírito Santo (GES) entre maio e junho de 2013.

Lusa

"Falei com o doutor Vítor Gaspar, [então] ministro das Finanças, não consigo precisar exatamente o dia, entre finais de maio, princípios de junho, de 2013. Nessa conversa (...) tocámos vários assuntos, e um dos assuntos que referi ao então ministro foi a minha preocupação com a situação no GES e no BES", declarou Ulrich na comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do GES.

 

Nas respostas escritas à comissão, Vítor Gaspar havia dito que só tomou conhecimento das dificuldades financeiras do GES no final de 2013.

 

"Ouvi falar de dificuldades financeiras idiossincráticas no GES no final de 2013. Em termos concretos, soube, mais tarde, das implicações da exposição do BES [Banco Espírito Santo] ao GES pela imprensa especializada internacional", lê-se nas respostas do antigo governante.

 

Ulrich diz que depois de ter avisado Gaspar foi contactado "em menos de 48 horas" por um "alto funcionário do Banco de Portugal" para ser agendada uma reunião sobre a matéria.

 

"Nessa conversa expliquei mais em detalhe as razões de ser das preocupações que tinha partilhado com o senhor ministro das Finanças. O que aconteceu a partir daí, não sei. Se tinha uma preocupação importante, partilhei-a com o ministro porque tive oportunidade de o fazer", vincou.

 

No arranque da sua audição, Ulrich declarou ser amigo desde há algumas gerações da família Espírito Santo, mas realçou que ninguém "pode estar em torres de Marfim".

 

"Todos temos de prestar contas", sublinhou, definindo como "muito importante" o trabalho que está a ser desenvolvido na comissão parlamentar de inquérito.

 

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro e tinha inicialmente um prazo total de 120 dias, até 19 de fevereiro, mas foi prolongado por mais 60 dias.

 

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".

 

 Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.