sicnot

Perfil

Queda do BES

Salgado cita Pessoa para não pedir desculpa

Salgado cita Pessoa para não pedir desculpa

O antigo líder do BES Ricardo Salgado citou hoje Fernando Pessoa na comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco, recorrendo ao autor para dizer que vai continuar a defender a sua razão. Porque "pedir desculpa é pior do que não ter razão".

"Pedir desculpa é pior do que não ter razão. Eu estou aqui para defender a minha razão", disse Salgado, recorrendo a palavras do escritor português.

Na sua intervenção inicial nesta que é a sua segunda presença na comissão de inquérito, o ex-banqueiro citou também o padre António Vieira.

"Em nenhuma parte como em Portugal se gasta tanto papel, ou se gasta tanto em papéis" foi a citação utilizada por Salgado.

Da primeira vez que esteve na comissão, em dezembro de 2014, o antigo líder histórico do BES havia recorrido a um provérbio chinês: "O leopardo quando morre deixa a sua pele. Um homem quando morre o que deixa é a sua reputação", disse então.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e a audição de hoje de Salgado é a primeira repetição nesta comissão.

A última audição prevista para a comissão de inquérito é a da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que prestará novo depoimento perante os deputados na próxima quarta-feira. 

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira, no Jornal da Noite, para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo". O diretor conta que a unidade esteve em contacto com as autoridades em Espanha, não só durante os ataques, como também depois, e disse que os atacantes não estarão a caminho da fronteira com Portugal.