sicnot

Perfil

Queda do BES

Salgado cita Pessoa para não pedir desculpa

Salgado cita Pessoa para não pedir desculpa

O antigo líder do BES Ricardo Salgado citou hoje Fernando Pessoa na comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco, recorrendo ao autor para dizer que vai continuar a defender a sua razão. Porque "pedir desculpa é pior do que não ter razão".

"Pedir desculpa é pior do que não ter razão. Eu estou aqui para defender a minha razão", disse Salgado, recorrendo a palavras do escritor português.

Na sua intervenção inicial nesta que é a sua segunda presença na comissão de inquérito, o ex-banqueiro citou também o padre António Vieira.

"Em nenhuma parte como em Portugal se gasta tanto papel, ou se gasta tanto em papéis" foi a citação utilizada por Salgado.

Da primeira vez que esteve na comissão, em dezembro de 2014, o antigo líder histórico do BES havia recorrido a um provérbio chinês: "O leopardo quando morre deixa a sua pele. Um homem quando morre o que deixa é a sua reputação", disse então.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e a audição de hoje de Salgado é a primeira repetição nesta comissão.

A última audição prevista para a comissão de inquérito é a da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que prestará novo depoimento perante os deputados na próxima quarta-feira. 

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.