sicnot

Perfil

Queda do BES

Queda do BES

Queda do BES

Salgado diz que não pediu favores nas reuniões com políticos

O antigo líder do BES Ricardo Salgado disse esta quinta feira no parlamento que nas reuniões que manteve com políticos em 2014 não pediu favores mas procurou alertar os responsáveis para o "risco sistémico" que a queda do banco poderia causar.

(Lusa/Arquivo)

"Não fui pedir qualquer favor", sinalizou o ex-banqueiro, acrescentando que procurou nas reuniões com responsáveis políticos - casos do Presidente da República e do primeiro-ministro, entre outros - garantir "apoio institucional" para o BES e alertar para um eventual "risco sistémico".

"Infelizmente não estava enganado", prosseguiu Salgado, que falava na comissão de inquérito à gestão do caso BES e Grupo Espírito Santo (GES).

A exposição inicial de Ricardo Salgado teve cerca de uma hora, tendo arrancado pelas 15:10, ao passo que 60 minutos depois arrancou o primeiro bloco de perguntas, cabendo ao PSD, e ao deputado Carlos Abreu Amorim, fazer as primeiras questões.

A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e a audição de hoje de Salgado é a primeira repetição nesta comissão.

A última audição prevista para a comissão de inquérito é a da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que prestará novo depoimento perante os deputados na próxima quarta-feira. 

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo "apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades".

Lusa
  • Salgado lança ataque ao Banco de Portugal

    Queda do BES

    O ex-líder do BES Ricardo Salgado disse hoje que só conheceu através da comunicação social a parte da auditoria forense da Deloitte já revelada, o que afirmou ser "inadmissível". O antigo banqueiro regressou esta tarde à comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo, começando por lamentar o "julgamento sumário" de que diz estar a ser alvo e lançou acusações ao Banco de Portugal. As medidas impostas pelo Banco de Portugal foram também visadas.

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há uma outra portuguesa desaparecida. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. As buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42